Divulgação/Odebrecht
Divulgação/Odebrecht

Parlamento da Venezuela vai ouvir representantes da Odebrecht

Empreiteira teria pago US$ 98 milhões em propinas a funcionários públicos e políticos do país

O Estado de S.Paulo

09 Fevereiro 2017 | 04h55

CARACAS - O Parlamento da Venezuela, de maioria oposicionista, vai convocar na próxima quarta-feira, 15, a representantes locais da Odebrecht por supostos subornos pagos pela companhia brasileiras a funcionários públicos, informou o presidente da Comissão de Controladoria do Legislativo, Juan Guaidó.

Por meio do Twitter, Guaidó informou que em uma reunião celebrada na noite desta quarta-feira, 8, foi "aprovada a citação de representantes da Odebrecht na Venezuela pela comissão para dar início à investigação". O político disse à agência espanhola Efe que os representantes da empreiteira serão ouvidos na próxima semana.

A investigação será encabeçada por três parlamentares: além de Guaidó, Ismael García e Robert Alcalá.

Em 31 de janeiro, a Assembleia Nacional autorizou que a comissão de controladora abrisse uma investigação sobre os supostos subornos pagos pela construtora brasileira, assim como pedir à procuradoria-geral toda a informação que dispor sobre o caso.

O conglomerado brasileiro administra na Venezuela várias obras de infraestrutura, tais como pontes, rodovias e metrô.

A procuradora-geral da Venezuela, Luisa Ortega Díaz, informou em 26 de janeiro que o Ministério Público se encontrava investigando o estado das obras da construtora e os supostos pagamentos de subornos a funcionários públicos e políticos.

No domingo, 5, o presidente Nicolás Maduro afirmou que as obras inconclusas da Odebrecht seriam terminadas "com trabalho nacional".

Segundo documentos revelados pelo Departamento de Justiça dos Estados Unidos em 21 de dezembro, a Odebrecht admitiu ter pago aproximadamente US$ 788 milhões em subornos em 12 países da América Latina e África. Na Venezuela, as propinas somaram US$ 98 milhões entre 2006 e 2015. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.