Jason Henry/The New York Times
Jason Henry/The New York Times

Parlamento do Estado australiano de Victoria legaliza uso medicinal de maconha

Autoridades da região começarão em breve a testar o cultivo em pequena escala sob estrita vigilância e criarão um escritório para supervisionar a produção dos remédios e estabelecer os requisitos para receber os tratamentos

O Estado de S. Paulo

13 Abril 2016 | 12h32

SYDNEY - O Parlamento do Estado australiano de Victoria, no sudeste do país, legalizou nesta quarta-feira, 13, o uso medicinal de cannabis e se transformou no primeiro território da Austrália em adotar esta legislação.

A ministra da Saúde do Estado de Victoria, Jill Hennessy, anunciou que as crianças com epilepsia severa serão os primeiros a ter acesso legalmente a este tipo de assistência a partir de 2017. "Começaremos com as crianças com epilepsia severa, cujas vidas tiveram uma melhora significativa com o tratamento à base de cannabis, porque elas frequentemente não chegam à idade adulta", afirmou Hennessy.

"Acredito que agora e a essa idade é injusto e inaceitável pedir a um pai que decida entre obedecer a lei (que proíbe a cannabis) ou atuar conforme os melhores interesses de seus filhos", afirmou a representante estatal.

O acesso aos remédios - aplicados em uma variedade de formas como tinturas, óleos, cápsulas ou vaporizadores - será feita de maneira gradual e também estará disponível de maneira eventual para cuidados paliativos e pacientes com HIV, informou o canal ABC.

As autoridades de Victoria começarão em breve a testar o cultivo em pequena escala sob estrita vigilância e criarão um escritório de cannabis medicinal para supervisionar a produção dos remédios, educar médicos e pacientes sobre suas funções e estabelecer os requisitos para receber os tratamentos.

Além disso, uma entidade independente os assessorará em relação à introdução de cannabis com fins medicinais, que é legalizada em mais de 21 Estados nos EUA, acrescentou a fonte.

A medida adotada em Victoria segue a decisão do Parlamento da Austrália de aprovar em fevereiro o cultivo de cannabis com fins medicinais e científicos. Outros Estados do país podem se unir em breve à decisão.

As pesquisas, entre elas os resultados publicados em 2015 no Journal of the American Medical Association, mostram que a maconha tem efeitos positivos para o tratamento da dor crônica. No entanto, existem dúvidas sobre os efeitos secundários, e a questão de sua eficácia continua sendo um tema mundialmente polêmico. /EFE

Mais conteúdo sobre:
Austrália cannabis saúde

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.