1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Partidários da oposição e do chavismo vão até a Assembleia Nacional acompanhar posse

- Atualizado: 05 Janeiro 2016 | 12h 50

Deputados eleitos em dezembro assumem os cargos nesta terça-feira; polícia foi deslocada para evitar conflitos entre grupos 

Policiais fazem a segurança da Assembleia Nacional em Caracas para a posse dos deputados eleitos em dezembro 

Policiais fazem a segurança da Assembleia Nacional em Caracas para a posse dos deputados eleitos em dezembro 

CARACAS - Grupos de partidários do chavismo e da oposição começaram a se reunir nesta terça-feira, 5, no centro de Caracas para acompanhar os deputados escolhidos nas eleições legislativas de 6 de dezembro a tomar posse de seus cargos na Assembleia Nacional (AN).

Dezenas de soldados da polícia e da Guarda Nacional Bolivariana (GNB) rodearam a sede do Legislativo e monitoram os grupos para que eles não se encontrem, já prevendo conflitos.

Os deputados escolhidos tomarão posse nesta terça, marcando o fim da hegemonia parlamentar chavista dos últimos 17 anos. A oposição obteve em 6 de dezembro uma maioria de 112 deputados frente às 55 cadeiras que serão do governo.

O juramento para os próximos cinco anos como deputados será um ato emoldurado por um clima de tensão que o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, pediu na noite de segunda-feira que fosse reduzido.

Maduro disse ter dado ordens aos corpos de segurança para que garantam a instalação pacífica do Legislativo. "Que esta terça-feira seja um dia de paz, que se instale o parlamento burguês e os revolucionários para trabalhar, retificar, lutar e construir", discursou o presidente em rede nacional.

Impugnações. O deputado eleito Henry Ramos Allup, que será o novo presidente da AN, disse confiar que a Força Armada Nacional Bolivariana (FANB) garantirá a ordem em uma jornada em que garantiu que pretendem juramentar os 112 deputados opositores e não acatar a decisão do Tribunal Supremo de Justiça (TSJ), que aceitou impugnações devido a uma suposta fraude no estado do Amazonas, no sul do país.

O TSJ suspendeu a eleição nesse Estado, o que deixou a oposição com 109 deputados e o chavismo com 54. "A FANB não é órgão para subverter a ordem constitucional, nem para desconhecer a institucionalidade democrática, muito menos para dar golpes de Estado", afirmou na segunda-feira o ministro da Defesa, Vladimir Padrinho, em resposta a alguns pedidos para que tomasse posição.

No que foram vistas como as primeiras disputas entre chavistas e opositores dentro da Assembleia, Maduro já antecipou que vetará uma anistia anunciada pela oposição aos "presos políticos", entre eles o dirigente opositor Leopoldo López, condenado em primeira instância a quase 14 anos de prisão por incitar a violência durante os protestos de 2014.

As forças opositoras anunciaram também que seus dirigentes concordaram em julho dar, a partir desta terça, um prazo de seis meses para definir "a via constitucional" para uma saída antecipada de Maduro do poder. O presidente venezuelano foi eleito em abril de 2013 para um mandato de seis anos, que só termina em 2019. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX