Passa bem soldado brasileiro baleado no Haiti

O soldado brasileiro Luciano de Lima Carvalho, do 18º Batalhão de Infantaria Motorizada de São Leopoldo, ferido em confronto no sábado, passa bem, segundo o general Augusto Heleno Ribeiro Pereira, comandante brasileira da Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah). Carvalho está internado no hospital argentino em Porto Príncipe, mas deve ser liberado em breve. "Falei com ele neste domingo e ele está bastante animado. Felizmente o ferimento é sem nenhuma gravidade", afirmou o general à Agência Estado. O soldado foi baleado no tornozelo quando a tropa brasileira iniciava o cerco a um bairro no norte do país, supostamente controlado por rebeldes partidários do ex-presidente haitiano Jean-Bernard Aristide. "Não deu para identificar de onde veio o tiro", disse o general, que também participava da missão. "Assim que foi atingido, Carvalho foi retirado do local por uma ambulância e recebeu atendimento imediatamente". Após o cerco, a polícia do Haiti vasculhou o local. Também foi baleado no braço um soldado argentino que guardava na noite de sábado a entrada de uma igreja em Gonaives, onde o presidente e o premier interinos do Haiti participavam de uma missa em homenagem às vítimas do furacão Jeanne. Integrantes do grupo humanitário Médicos Sem Fronteiras também foram atacados por desconhecidos em Gonaives. Ninguém ficou ferido, mas o grupo anunciou que estava retirando seus sete voluntários da cidade costeiro nortista até que melhore a situação de segurança.

Agencia Estado,

10 Outubro 2004 | 18h06

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.