Audra D. Bridges via AP
Audra D. Bridges via AP

Passageiro tirado à força de avião da United quebrou nariz e perdeu dois dentes, diz advogado

David Dao, um médico vietnamita-americano de 69 anos, foi internado depois que a polícia aeroviária de Chicago o retirou do avião porque a empresa queria abrir uma vaga no voo

O Estado de S. Paulo

13 Abril 2017 | 19h40

CHICAGO - O passageiro que foi arrastado de um avião da United Airlines em Chicago, em incidente que causou revolta em todo o mundo e se tornou um pesadelo de relações públicas para a companhia aérea, sofreu uma concussão, teve o nariz quebrado, perdeu dois dentes e provavelmente abrirá um processo, disse seu advogado nesta quinta-feira, 13. 

"Faz muito tempo que as linhas aéreas, a United em particular, estão nos maltratando", disse Thomas Demetrio em uma coletiva de imprensa em Chicago, delineando as possíveis causas da ação que podem iniciar contra a United e a cidade de Chicago. "Haverá uma ação civil? Sim, provavelmente".

David Dao, um médico vietnamita-americano de 69 anos, foi internado depois que a polícia aeroviária de Chicago o retirou do avião porque a empresa queria abrir uma vaga no voo do Aeroporto Internacional O'Hare para Louisville, no Estado de Kentucky.

Demetrio disse que a lei determina que nenhum passageiro pode ser expulso de um avião com força excessiva. Chicago administra o aeroporto e o departamento de aviação da cidade emprega os três agentes que arrancaram Dao da aeronave.

Dao, que teve alta na noite de quarta-feira, foi vítima de uma concussão significativa, teve o nariz quebrado e perdeu dois dentes da frente e terá de fazer uma cirurgia reparadora, disse Demetrio.

 

Vídeos do incidente de domingo feitos por outros passageiros que mostram Dao sendo arrastado pelo corredor do avião com a boca ensanguentada circularam rapidamente, provocando uma revolta pública que não foi aplacada pela reação inicial da empresa aérea. / REUTERS 

Mais conteúdo sobre:
United Airlines Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.