1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Patriarca ortodoxo russo se reúne com Raúl Castro antes do encontro com o papa

- Atualizado: 12 Fevereiro 2016 | 16h 02

Kirill faz a primeira viagem à ilha como líder máximo da Igreja Ortodoxa e pode se encontrar com o ex-presidente Fidel Castro

HAVANA - O presidente de Cuba, Raúl Castro, recebeu o patriarca ortodoxo russo, Kirill, no Palácio da Revolução, em Havana, nesta sexta-feira, 12, algumas horas antes do histórico encontro do patriarca com o papa Francisco, o primeiro entre os máximos líderes das igrejas católica e ortodoxa em quase mil anos de cisão.

Antes da reunião com Raúl, que faz parte da agenda da visita oficial que Kirill à ilha, o patriarca participou de uma homenagem ao herói independentista cubano José Martí no monumento na emblemática Praça da Revolução. O líder ortodoxo caminhou pelas salas do memorial e deixou uma mensagem no livro de visitantes.

Patriarca ortodoxo russo é recebido em Havana pelo presidente Raúl Castro 

Patriarca ortodoxo russo é recebido em Havana pelo presidente Raúl Castro 

A inédita reunião de Kirill com Francisco deve durar duas horas e vai acontecer durante a escala do pontífice em sua primeira viagem ao México como papa.

Em sua quarta passagem por Cuba, a primeira como líder máximo da Igreja Ortodoxa, Kirill visitará uma escola para crianças com necessidades especiais e irá a um concerto de música russa no Teatro Martí. Embora não esteja no itinerário oficial do líder religioso, está previsto que ele se reúna também com o ex-presidente cubano Fidel Castro, de 89 anos, afastado do poder desde 2006.

Kirill ficará na ilha caribenha até o próximo domingo, quando oficiará uma liturgia na Catedral de Nossa Senhora de Kazan, único templo ortodoxo russo da ilha, que reúne 15 mil fiéis.

Nesta viagem, o patriarca russo ainda visitará o Brasil e o Paraguai. /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX