Korean Central News Agency
Korean Central News Agency

Pelo Twitter, Trump volta a ameaçar a Coreia do Norte

Presidente americano escreveu que 'apenas uma coisa' vai funcionar para lidar com o regime de Kim Jong-un, mas não deu detalhes

O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2017 | 17h48
Atualizado 07 Outubro 2017 | 20h46

WASHIGNTON - O presidente americano, Donald Trump, voltou a ameaçar a Coreia do Norte neste sábado, 7, ao escrever em seu Twitter que "apenas uma coisa" funciona para lidar com o regime de Kim Jong-un, sem dar detalhes. Em duas mensagens postadas nesta tarde, o republicano disse ainda que os longos períodos de diálogo com Pyongyang não renderam frutos.

+ Cenário: Trump e Kim discutem, brasileiros se protegem

"Presidentes e suas administrações conversaram com a Coreia do Norte por 25 anos, acordos feitos e montanhas de dinheiro pagas não funcionaram, os acordos foram violados antes da tinta secar, fazendo os negociadores americanos de tolos. Desculpe, mas apenas uma coisa vai funcionar", escreveu o presidente americano. 

Mais tarde, ao deixar a Casa Branca para uma viagem até a Carolina do Norte, repórteres questionaram o presidente sobre ao que se referiu ao dizer que apenas um caminho funcionaria na tensão com a Coreia do Norte. Mais uma vez, Trump não deu detalhes. "Você vão ver muito em breve". 

Na recente escalada da tensão entre os dois países, Trump disse, durante a Assembleia-Geral da ONU em setembro, que os EUA destruiriam a Coreia do Norte se necessário, para proteger a si próprios e seus aliados. No dia 1º de outubro, o presidente americano havia dito que o secretário de Estado, Rex Tillerson, deveria "poupar sua energia", em vez de negociar com o regime de Kim Jong-un. "Faremos o que tem de ser feito", sustentou na ocasião.

O governo americano tem reforçado suas sanções contra a Coreia do Norte para pressionar o regime a abandonar seu programa nuclear e de mísseis. Além disso, tem atuado para que outros países caminhem na mesma direção, sobretudo a China, principal aliado dos norte-coreanos. /AP e REUTERS

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.