Adi Weda/Reuters
Adi Weda/Reuters

Após atentado, Pence diz que EUA não medirão esforços para conter terrorismo

Vice-presidente fez a afirmação na Indonésia em reunião com empresários

O Estado de S.Paulo

21 Abril 2017 | 02h01

JACARTA - O vice-presidente dos Estados Unidos, Mike Pence, disse nesta sexta-feira, 21, que o ataque na principal avenida de Paris é uma lembrança de que o terrorismo pode atingir qualquer lugar em qualquer momento e que os Estados Unidos não vão medir esforços para acabar com ele. 

"O povo da Indonésia pode ter certeza: não vamos medir nossos esforços para acabar com o terrorismo e com a ameaça que ele representa para os nossos povos", disse Pence em uma reunião com empresários de Jacarta, onde ele finaliza uma visita de dois dias na maior economia do Sudeste Asiático.

Um policial francês foi morto com um tiro e dois outros foram feridos na região central de Paris na noite de quinta-feira em um ataque organizado dias antes da eleição presidencial. Uma turista foi atingida por estilhaços, enquanto o agressor foi abatido por policiais. O atentado foi reivindicado pelo grupo extremista Estado Islâmico (EI). 

A avenida de Champs-Élysées é, como a Torre Eiffel, um dos símbolos de Paris. Conhecida como "a avenida mais bela do mundo", seus dois quilômetros de comprimento são repletos de palácios, teatros, lojas de luxo e museus. O presidente François Hollande disse estar convencido que "o assassinado covarde" foi um ato de terrorismo. 

A Indonésia, o país mais populoso com maioria muçulmana, também foi vítima de uma série de ataques mortais nos últimos 15 anos organizados por militantes ligados à Al Qaeda e, mais recentemente, ao Estado Islâmico. 

Pence disse que Washington continuará trabalhando com a Indonésia para combater o terrorismo. Na quinta, ele anunciou que Trump deve visitar o Sudeste Asiático em novembro para participar de congressos regionais realizados no Vietnã e nas Filipinas. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Sudeste Asiático

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.