EFE/EPA/R. TOMAS GONZALEZ
EFE/EPA/R. TOMAS GONZALEZ

Perfil: O que se sabe sobre Devin Patrick Kelley, que disparou contra fiéis em uma igreja do Texas

Ex-membro da Força Aérea americana, ele tinha um histórico de problemas com a lei, que começou em 2012

O Estado de S.Paulo

06 Novembro 2017 | 12h26

SUTHERLAND SPRINGS, EUA - Pouco depois do ataque a tiros em uma igreja no Texas, há apenas alguns fragmentos de informações sobre o atirador, Devin Patrick Kelley, de 26 anos, identificado pelas autoridades como o responsável por abrir fogo na Primeira Igreja Batista de Sutherland Springs no domingo, matando 26 pessoas e ferindo 20.

+ Igreja que foi palco de ataque no Texas amanhece cercada por policiais e detetives

Até o momento, as informações disponíveis nos registros públicos e as autoridades que investigam o crime não conseguiram oferecer indicações do que poderia ter desencadeado a ação contra os fiéis.

+ Em visita à Ásia, Trump diz que ataque no Texas é questão de ‘saúde mental’ e não de armas

Kelley, ex-membro da Força Aérea dos EUA, tinha um histórico de problemas com a lei, que começou em 2012, quando foi julgado e condenado a um ano de prisão militar por agredir sua mulher e filho, segundo a porta-voz da Força Aérea, Ann Stefanek.

Ela conta que Kelley se alistou em 2010 e serviu como um aviador de prontidão na base da Força Aérea de Holloman, no Novo México. Registros do tribunal local mostram que, em outubro de 2012, Tessa K. Kelley deu entrada em um processo de divórcio contra Devin P. Kelley. Aparentemente, o caso foi concluído em uma questão de dias, com um acordo significativo registrado no mesmo dia do arquivo inicial. Não há crianças citadas no processo.

Após o seu julgamento, Kelley foi liberado do Exército por acusações de má conduta em 2014. Em agosto do mesmo ano, ele foi acusado de delitos menores relacionados a maus-tratos, negligência ou crueldade com animais em El Paso, Colorado, onde viveu durante um tempo, de acordo com registros. O caso foi eventualmente descartado, apesar de os detalhes e as circunstâncias sobre o caso não terem sido esclarecidos.

Registros indicam que Kelley viveu por um tempo em uma propriedade dos seus próprios pais avaliada em cerca de US$ 800 mil, em New Braunfels, Texas, bairro rural de San Antonio, localizado a cerca de 56 km ao norte de Sutherland Springs.

Vizinhos disseram à imprensa local que Kelley morou em uma fazenda com sua mulher e seu filho de 2 anos por mais de uma década.

Dave Ivey, que se identificou como tio de Kelley, pediu desculpas às vítimas pelo ataque em uma entrevista à emissora NBC News. “Nunca, em um milhão de anos, eu teria acreditado que Devin seria capaz de uma coisa dessas”, disse ele. “Minha família sofrerá em razão das ações covardes dele.”

Mark Moravitz, que mora perto da família de Kelley, contou que geralmente ouvia um disparo vindo da propriedade vizinha por volta das 22h, 23h. “Ouvíamos muitos tiros”, disse ele à KSAT.

Moravitz disse que a família de Kelley viajava com frequência e o descreveu como um “homem  normal”, acrescentando que ficou “em choque” ao saber sobre o ataque. “Você nunca imagina que seu vizinho seja capaz de algo assim”, afirmou.

Autoridades descreveram a arma usada na ação como uma Ruger AR-556, um fuzil de assalto similar ao utilizado pelo Exército. A emissora CNN, citando uma fonte ligada à polícia, informou que Kelley comprou o armamento em abril de 2016 em uma loja de artigos esportivos em San Antonio.

No Facebook de Kelley há uma foto da Ruger. No domingo, a página foi tirada do ar. Segundo o jornal Los Angeles Times, nos últimos meses, ele começou a adicionar pessoas desconhecidas de Sutherland Springs e brigava com elas na internet. / WASHINGTON POST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.