J Pat Carter/AFP
J Pat Carter/AFP

Pesquisa mostra Cruz quase empatado com Trump em disputa republicana

Senador saiu vitorioso da primária partidária do Estado de Wisconsin na noite de terça-feira; ele celebrou sua ampla vitória e garantiu que agora tem 'chances reais' de conseguir a indicação do partido

O Estado de S. Paulo

06 Abril 2016 | 15h54

NOVA YORK - O apoio dos republicanos ao pré-candidato à presidência dos Estados Unidos Ted Cruz já é quase igual nacionalmente ao do ainda favorito Donald Trump, de acordo com uma pesquisa Reuters/Ipsos divulgada nesta quarta-feira, 6. 

O senador saiu vitorioso da primária partidária do Estado de Wisconsin na noite de terça-feira. Ele celebrou sua ampla vitória e garantiu que agora tem "chances reais" de conseguir a indicação do partido para ser o candidato presidencial nas eleições de novembro. 

 

O avanço de Cruz na sondagem marca a primeira vez desde novembro em que um dos adversários de Trump ameaça sua liderança entre os republicanos na corrida pela indicação do partido.

Suas conquistas coincidiram com um momento ruim para o magnata, que na semana passada foi obrigado a se retratar depois de dizer que as mulheres que fazem abortos deveriam ser punidas se a prática for proibida no país. Além disso, demonstrou apoio a seu gerente de campanha depois de este ser acusado de agressão leve por ter supostamente agarrado o braço de uma repórter.

Cruz, senador do Texas, tem 35,2% intenções de voto, e Trump 39,5%, como revelou o levantamento com 568 republicanos feito entre os dias 1º e 5. Os números colocam ambos dentro da margem de erro de 4,8 pontos porcentuais da pesquisa.

No início da semana passada, Cruz e Trump também ficaram perto de um empate. Somente há um mês, quando o senador Marco Rubio ainda concorria, Cruz aparecia cerca de 20 pontos atrás de Trump na pesquisa Reuters/Ipsos.

O governador de Ohio, John Kasich, o único outro pré-candidato ainda na disputa pela indicação republicana, ficou em terceiro na sondagem mais recente, com 18,7% da preferência.

O apoio a Trump entre as mulheres tem enfraquecido, especialmente nas últimas semanas. Mais de 70% das possíveis eleitoras – o voto não é obrigatório nos EUA – disseram ter uma opinião "desfavorável" do bilionário de Nova York, segundo a média de pesquisas do período de cinco dias encerrado em 5 de abril.

Na corrida democrata, a favorita Hillary Clinton apareceu com uma vantagem de 7 pontos porcentuais sobre Bernie Sanders, senador do Vermont.

Cruz e Sanders venceram com facilidade a prévia de Wisconsin na noite de terça-feira. Mesmo assim, será uma tarefa dura para Sanders derrotar a ex-secretária de Estado e conquistar a indicação do partido, mas a vitória de dois dígitos de Cruz sobre Trump foi vista como uma conquista pela forças republicanas empenhadas em frear o ex-apresentador de reality show.

Em Milwaukee, a maior cidade de Wisconsin, Cruz considerou sua vitória um "ponto de inflexão" na corrida e comentou que esse Estado "acendeu uma luz que mostra o caminho a ser seguido".

"Estamos unindo o Partido Republicano. Todo o espectro do Partido Republicano está se unindo em torno desta campanha", opinou o senador, em referência a quadros importantes do partido conservador que, nas últimas semanas, revelaram publicamente seu apoio a ele. / REUTERS e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.