Pilotos da Lufthansa podem entrar em greve

A companhia aérea alemã Lufthansa informou, em Frankfurt, que em sua última oferta feita ao sindicato que representa a maioria dos pilotos da empresa, elevou a proposta de aumento salarial para 13,6% no período de quatro anos. A proposta anterior da empresa totalizava um aumento de 10,6%. As negociações, contudo, foram suspensas nesta quarta-feira sem que as duas partes atingissem um acordo. Com isso, o sindicato manteve o indicativo de greve de 24 horas, que deve afetar as operações da empresa a partir desta noite. O sindicato também informou que fará um protesto no aeroporto internacional de Frankfurt, centro financeiro da Alemanha. "A diferença entre a oferta e as reivindicações não pôde ser reduzida", afirmou a direção da Lufthansa, que informou que continua aberta a negociações. Além de elevar a oferta de reajuste, a Lufthansa manteve inalterada a proposta de pagar um extra equivalente a dois meses de salário por ano aos pilotos. O Vereinigung Cokpit (sindicato dos pilotos) exige aumentos salariais entre 30% e 35%, argumentando que os salários dos pilotos da companhia alemã estão bem abaixo dos níveis praticados por outras empresas do setor. O sindicato representa cerca de 80% dos 4.200 pilotos da Lufthansa. As ações da empresa aérea caíam 3% no início da sessão vespertina da Bolsa de Frankfurt, em uma reação ao rompimento das negociações nesta manhã.

Agencia Estado,

16 Maio 2001 | 11h49

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.