1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Plano original dos terroristas tinha usinas nucleares da Bélgica como alvo, diz jornal

- Atualizado: 24 Março 2016 | 09h 47

Segundo jornal local, ação das autoridades belgas teria obrigado alguns integrantes do grupo jihadista a acelerarem suas ações e revisarem os alvos iniciais

BRUXELAS - As usinas nucleares da Bélgica eram o alvo do plano original dos terroristas que realizaram os atentados da terça-feira em Bruxelas, afirmou nesta quinta-feira, 24, o jornal La Dernière Heure, que ainda garantiu que os suspeitos pertencem a uma única célula jihadista.

O jornal afirmou que, depois que parte do grupo foi desmantelado na operação antiterrorista no distrito de Forest, na semana passada, que levou à captura do suposto responsável logístico dos atentados em Paris, Salah Abdeslam, e de outro cúmplice, Amine Choukri, na sexta-feira, os investigadores evitaram um ataque provavelmente pior.

Bélgica amanhece com homenagens e sob clima de terror
AFP PHOTO / Belga
Bélgica amanhece com homenagens e sob clima de terror

Bruxelas tenta retomar a vida normal após os atentados que deixaram dezenas de mortos e feridos, e abalaram o continente europeu

A ação das autoridades belgas teria obrigado os outros integrantes da célula terrorista a acelerarem suas missões e a revisarem seus alvos iniciais, segundo o La Dernière Heure.

A publicação explicou que duas pessoas recuperaram há alguns meses uma câmera instalada em frente à residência do diretor do programa de pesquisa e desenvolvimento nuclear da Bélgica. Segundo o jornal, estas pessoas eram os irmãos Ibrahim e Khalid El Bakraoui, que se explodiram nos atentados no aeroporto e no metrô de Bruxelas. O vídeo da câmera foi recuperado pelos dois homens pouco depois dos atentados de Paris.

A gravação foi encontrada em dezembro de 2015 na residência de um dos suspeitos dos atentados na França, Mohammed Bakkali, segundo o jornal belga, que informou que o vídeo mostra os movimentos do chefe da rede nuclear da Bélgica.

No dia 17 de fevereiro, autoridades belgas enviaram 140 militares para as instalações nucleares do país para garantir sua segurança. A publicação disse que o duplo atentado em Bruxelas permite afirmar que se trata de uma única célula jihadista, que participou dos atentados em Paris e na capital belga, organizada por jovens da Bélgica, dos quais a maioria esteve na Síria.

Os irmãos El Bakraoui e Najim Laachraoui, apontado como um dos terroristas envolvidos no ataque ao aeroporto de Bruxelas, são os autores principais do pior atentado da história da Bélgica, no qual pelo menos 31 pessoas morreram e mais de 250 ficaram feridas. Ambos passaram a ser monitorados pelas forças de segurança belgas após os atentados de Paris.

Pelo menos um homem ainda está foragido. Na quarta-feira, outra pessoa foi detida no distrito de Anderlecht, cuja identidade ainda não foi revelada. O La Dernière Heure informou, no entanto, que seria Oussama A., cujo papel nos atentados ainda é desconhecido.

Por outro lado, a emissora de televisão VTM afirmou que os atentados seriam cometidos inicialmente na segunda-feira de Páscoa, informação que ainda não foi confirmada. /EFE

Vítimas dos ataques em Bruxelas recebem homenagens pelo mundo
REUTERS/Philippe Wojazer
Homenagem a Bruxelas

Torre Eiffel, na França, é iluminada com as cores da bandeira belga (preto, amarelo e vermelho) em homenagem às vítimas dos atentados terroristas ocorridos em Bruxelas. Os ataques deixaram mais de 30 mortos e 200 feridos

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX