PMI industrial da China sinaliza necessidade de reduzir taxas de juros, diz ING

O fraco desempenho do setor industrial da China sugere que o governo do país terá que reduzir ainda mais as taxas de juros de referência nos próximos meses, afirmou Tim Condon, economista do banco ING. O índice de atividade dos gerentes de compras (PMI) oficial do setor industrial da China evidenciou que o setor passa por dificuldades.

Estadão Conteúdo

01 Março 2015 | 10h09

Em fevereiro, o PMI ficou em 49,9. Apesar da leve alta em relação ao resultado de janeiro, de 49,8, o dado sinaliza uma contração da atividade pelo segundo mês consecutivo. Leituras acima de 50 apontam para uma expansão no setor em relação ao mês anterior, enquanto resultados abaixo disso sinalizam contração.

No sábado, a China reduziu as taxas de juros de referência pela segunda vez em quatro meses, em um novo sinal da preocupação com a desaceleração do crescimento. O Banco do Povo da China (PBOC, o banco central do país) anunciou a redução na taxa de juros de concessão de empréstimo de um ano em 0,25 ponto porcentual, para 5,35%. A taxa de depósito de um ano também foi reduzida em 0,25 ponto porcentual, para 2,50%.

O setor de serviços da China também apresenta sinais de desaceleração e pode enfrentar dificuldades, em virtude da desaceleração do mercado imobiliário, afirmou Yang Ruilong, economista e professor da Universidade de Renmin, na China.

O PMI de serviços oficial da China subiu para 53,9 em fevereiro, de 53,7 em janeiro. Entretanto, o subíndice de construção apresentou queda para 56,5 no mês passado, ante 56,9 em janeiro.

O investimento no setor de serviços, importante para o mercado de trabalho chinês, tem desacelerado mais que o investimento na indústria nos últimos meses, alertou Ruilong. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
China PMI juros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.