AP Photo/Amel Emric
AP Photo/Amel Emric

Polícia da Macedônia usa gás lacrimogêneo contra refugiados na fronteira com Grécia

Segundo informações da organização Médicos Sem Fronteiras, 200 sofreram intoxicação, cerca de 30 foram atendidos por impactos de balas de borracha e outros 20 com ferimentos variados

O Estado de S. Paulo

10 Abril 2016 | 17h48

ATENAS - Cerca de 300 pessoas tiveram de ser atendidas neste domingo, 10, com problemas respiratórios ou ferimentos após os enfrentamentos registrados entre a polícia fronteiriça da Macedônia e refugiados no acampamento de Idomeni, na Grécia.

Segundo informações da organização Médicos Sem Fronteiras (MSF), 200 pessoas sofreram intoxicação por gás lacrimogêneo, cerca de 30 foram atendidas por impactos de balas de borracha e outros 20 com ferimentos variados - 7 tiveram de ser transferidas ao hospital da cidade de Kilkis, próxima de Idomeni.

"Hoje, frustração e um crescente sentimento de raiva espalhou-se entre os refugiados, que estão desamparados em Idomeni por mais de um mês. O que vemos é o inevitável resultado de milhares de detidos na Grécia, um país incapaz de responder às necessidades humanas e de proteção desses que buscam por segurança na Europa", afirmou o chefe da missão da MSF na Grécia, Jose Hulsenbek, em comunicado à imprensa. 

A guarda fronteiriça da Macedônia reprimiu nesta manhã a tentativa de cerca de 500 imigrantes e refugiados de atravessar à força a fronteira a partir do acampamento fronteiriço de Idomeni.

No comunicado, a MSF explica que em uma de suas clínicas dentro do campo, cerca de 30 crianças entre 5 e 15 anos receberam cuidados médicos após serem expostas ao gás lacrimogêneo. 

Afirma ainda que dois menores disseram ter sido levados com outras dez pessoas para o território da Antiga República Iugoslava da Macedônia (Fyrom, na sigla em inglês) e apanhado por cerca de uma hora pela polícia. 

Os incidentes começaram a partir de um rumor que surgiu após ser distribuído um folheto escrito em árabe que convocava os refugiados a reunir-se perante a cerca porque a fronteira iria abrir.

Enquanto a polícia da Macedônia esclarecia a um pequeno grupo de pessoas que isso não ocorreria, várias centenas de pessoas se aproximaram da cerca e algumas delas começaram a lançar pedras contra as forças fronteiriças, que responderam lançando gás lacrimogêneo, granadas de atordoamento e balas de borracha.

Segundo indicou à agência EFE o porta-voz policial da Macedônia, durante os enfrentamentos ficaram feridos três policiais desse país.

O governo grego condenou o uso "indiscriminado" deste tipo de instrumentos de repressão por parte das forças macedônias "contra populações vulneráveis".

"Pedimos que as autoridades da Antiga República Iugoslava da Macedônia entendam os riscos potenciais derivados do uso da força contra os refugiados e os imigrantes", afirmou o porta-voz do centro de gestão da crise de refugiados do governo grego, Yorgos Kyritsis, em entrevista à agência de notícias grega AMNA.

Além disso, Kyritsis orientou os refugiados a não acreditar em rumores e informações intencionalmente falsas, e a cooperar com as autoridades gregas para garantir que possam ser transferidos a um dos alojamentos temporários organizados. / COM EFE

Mais conteúdo sobre:
Crise migratória Macedônia Grécia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.