AP Photo/John Locher
AP Photo/John Locher

Guarda teria alertado sobre atirador 6 minutos antes do massacre de Las Vegas

Versão difere da divulgada pelas autoridades, já que no início da semana policiais disseram que o atirador teria disparado contra o segurança depois de atirar nas pessoas que estavam no festival de música country

O Estado de S.Paulo

12 Outubro 2017 | 13h07

LAS VEGAS, EUA - Uma revisão na cronologia dos fatos fornecida por investigadores do massacre em Las Vegas está pressionando ainda mais a polícia local para explicar a verdadeira ordem dos fatos e a ação dos agentes durante aquele que se tornaria o maior ataque a tiros da história recente dos EUA.

+ Maior parte dos EUA vai contra pressão por lei mais dura sobre controle de armas

Às 22h05, o agressor - o contador aposentado Stephen Paddock - começou a disparar e o fez durante 10 minutos, segundo informações da polícia. Os agentes chegaram ao andar em que ele estava hospedado às 22h17, dois minutos após o fim dos disparos. Questiona-se agora o que aconteceu nos seis minutos entre o momento em que a polícia diz que Paddock atirou da porta de sua suíte e quando executou de fato o massacre.

+ Artigo: Falar da saúde mental de atiradores é uma desculpa

Um funcionário da equipe de manutenção do hotel Mandalay Bay disse na quarta-feira 11 que pediu a outro empregado do local que chamasse a polícia pois um homem havia feito disparos dentro do prédio. Isso teria acontecido antes de Paddock começar a disparar contra centenas de pessoas em um festival de música country no dia 1.º.

A nova informação despertou algumas dúvidas sobre a ordem dos acontecimentos no dia do ataque e se uma melhor comunicação teria feito com que a polícia respondesse mais rapidamente e neutralizasse o agressor antes de ele agir, matando 58 pessoas e ferindo mais de 500.

Stephen Schuck disse à emissora NBC News que estava fazendo manutenção em uma porta de incêndio no 32.º andar do Mandalay Bay quando ouviu tiros e viu um guarda do hotel baleado caminhando pelo corredor, que ordenou que ele se abaixasse.

“Comecei logo a me agachar, as balas começaram a atravessar o corredor”, relatou Schuck. “Senti voando atrás da minha cabeça.”

Ele contou que alertou a equipe de segurança pelo rádio sobre o que estava acontecendo. “Quando os disparos pararam, corremos pelo corredor, nos agachamos e depois eles começaram de novo.”

A polícia disse na segunda-feira que o agressor disparou contra um guarda da porta de seu quarto seis minutos antes de iniciar o massacre. Ferido, ele usou o rádio e possivelmente um telefone para pedir ajuda aos funcionários do hotel.

Esta versão é muito diferente da que a polícia divulgou na semana passada, quando afirmou que Paddock atirou no guarda desarmado depois de disparar contra a multidão.

A empresa que gerencia o Mandalay Bay colocou em dúvida a nova versão dos fatos. “Não estamos seguros sobre a última sucessão de acontecimentos”, disse Debra DeShong, porta-voz do MGM Resorts International. “Acreditamos que o que estão dizendo agora pode não estar certo.”

A polícia de Las Vegas não respondeu aos questionamentos sobre o comunicado do hotel. “Nossos agentes chegaram o mais rápido que puderam e fizeram o que estão treinados a fazer”, afirmou o assistente do xerife da cidade, Todd Fasulo. / AP

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.