KCNA via REUTERS
KCNA via REUTERS

Polícia de Seul acusa hackers da Coreia do Norte de roubar bitcoins

Especialistas dizem que por estar fora do controle de entidades financeiras estatais, a moeda digital tem aumentado seu apelo em Pyongyang

O Estado de S.Paulo

13 Dezembro 2017 | 05h00

SEUL  - A polícia da Coreia do Sul acusou ontem hackers norte-coreanos de atacar quatro corretoras de bitcoin no país entre julho e agosto. Por meio de e-mails maliciosos enviados a funcionários dessas financeiras, diz a investigação, os espiões conseguiram obter uma quantia não informada da criptomoeda, que se valorizou1.500% este ano e chegou a ser cotada a US$ 17 mil na semana passada.

+ Criptomoeda lançada por Maduro nasce com eficácia contestada

É razoável dizer que trata-se de um valor grande”, disse Bryce Boland, especialista da empresa de segurança FireEye, com sede em Cingapura. 

Bitcoins são criptomoedas que vivem em servidores de computador e são “mineiradas” por meio de complexas operações matemáticas das máquinas. Não são reguladas por nenhum banco central e nem possuem lastro. 

Especialistas dizem que por estar fora do controle de entidades financeiras estatais, a moeda digital tem aumentado seu apelo junto à Coreia do Norte, alvo de sanções da ONU e dos Estados Unidos por seu programa nuclear. Além disso, o bitcoin não requer registro de identidade para ser negociada e os pagamentos são anônimos e feitos on-line.

Segundo Boland, os hackers já podem rapidamente ter trocado rapidamente os bitcoins em outras criptomoedas menos conhecidas para tornar o furto difícil de ser rastreado. “As transações podem ser feitas rapidamente e o dinheiro torna-se quase impossível de ser rastreado”, disse. 

Venezuelanos recorrem à mineração de bitcoins para fugir da inflação

A Coreia do Norte nega envolvimento com ataques hackers, mas recentemente tornou público o interesse por bitcoins. No mês passado, a Universidade de Ciência e Tecnologia de Pyongyang organizou uma palestra sobre a criptomoeda com um especialista. 

“Muitas perguntas excelentes foram feitas sobre o funcionamento do bitcoin, seus riscos e as medidas para garantir sua segurança”, disse em nota a escola de elite. / AP 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.