Polícia haitiana detém padre; Brasil pede mais soldados

A polícia haitiana deteve um padre suspeito de ligação com os recentes atos de violência praticados por seguidores do ex-presidente exilado Jean-Bertrand Aristide. Ex-soldados que participaram da revolta contra Aristide dizem que reforços estão a caminho de Porto Príncipe para ajudar a conter os tumultos que já deixaram 48 mortos. O sacerdote Gerard Jean-Juste foi detido em sua igreja por suspeitas de ter organizado reuniões com dirigentes de grupos a favor de Aristide. Os encontros teriam ocorrido durante as últimas duas semanas de combates armados e decapitações, informou o ministro da Justiça, Bernard Gousse. Simpatizantes de Aristide empunhando armas irromperam no povoado de Delmas, onde o padre foi detido, e disparam para o ar. De acordo com o ministro, a população local foi ameaçada pelo bando, mas não houve registro de feridos. Hoje, o chanceler brasileiro Celso Amorim - afirmando que a situação no Haiti é delicada - solicitou o enviou das tropas que ainda faltam para completar a força de paz da ONU na nação caribenha. Desde maio, o Brasil mantém no Haiti um contingente de 1.200 militares como parte de uma força multinacional da ONU.

Agencia Estado,

14 Outubro 2004 | 18h54

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.