1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Polícia interroga menino muçulmano que disse morar em 'casa terrorista' em redação

- Atualizado: 20 Janeiro 2016 | 13h 22

Colégio de Lancashire, no norte da Inglaterra, alertou autoridades após jovem trocar - por engano - a grafia da palavra "geminada" (terraced) e por "terrorista" (terrorist)

LONDRES - A polícia britânica interrogou um menino muçulmano de dez anos que escreveu em uma redação na escola que vivia em uma "casa terrorista", quando o que queria ele dizer era que residia em uma "casa geminada", informou a "BBC" nesta quarta-feira, 20.

A confusão em que o menino, que estuda em um colégio no condado de Lancashire, no norte da Inglaterra, se envolveu foi, na verdade, um erro de ortografia entre a forma de escrever em inglês o termo "terrorista" (terrorist, em inglês) e como se chamam as casas geminadas (terraced house, em inglês).

Menino muçulmano foi interrogado pela polícia britânica após cometer erro em redação

Menino muçulmano foi interrogado pela polícia britânica após cometer erro em redação

A criança foi interrogada em 7 de dezembro pelos agentes da polícia de Lancashire em sua casa, no dia seguinte ao erro, e a polícia também examinou o computador da família.

Desde julho, os professores britânicos são obrigados por lei a denunciar para as autoridades qualquer incidente que possa representar um alerta sobre um comportamento extremista entre os alunos. A família da criança contou que o que aconteceu os deixou em estado de choque, e querem agora que a polícia e o colégio se desculpem.

A prima do menino afirmou à BBC que "não se deveria pôr um menor em uma situação como esta". "É possível imaginar que isso aconteça com um homem de 30 anos, mas não com uma criança pequena. Se o professor tinha alguma preocupação, deveria ter sido sobre sua ortografia", disse ela, que afirmou que após o incidente a criança "ficou com medo de escrever, de usar sua imaginação".

De acordo com a Lei Antiterrorista e de Segurança, atualizada em 2015, os colégios e universidades do país têm a obrigação de tentar impedir que os alunos se envolvam em atividades terroristas.

Segundo a BBC, a conduta do colégio primário foi criticada por muitos, que consideraram que os professores exageraram por medo de desrespeitar a lei, em vez de usar o bom senso. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX