Policial afegão mata cinco soldados britânicos

Militares foram atacados em posto de controle; autor dos disparos era simpatizante dos militantes Taleban

estadao.com.br,

04 Novembro 2009 | 09h02

Um policial afegão matou a tiros cinco soldados britânicos em um posto de controle no sul do Afeganistão, segundo informou nesta quarta-feira, 4, o Ministério da Defesa do Reino Unido. O ataque aumentou os temores de indisciplina e infiltração dentro das forças de segurança afegãs, que supostamente estão sendo preparadas para assumir um papel maior no combate ao Taleban.

 

Veja também:

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão

 

O incidente aconteceu na terça-feira em um completo militar na província de Helmand, considerada um reduto do Taleban. Segundo o jornal The New York Times, um oficial afegão afirmou que o policial era um simpatizante do Taleban. Seis soldados britânicos ficaram feridos.

 

Por volta do meio-dia de terça-feira, o grupo de soldados britânicos visitou o posto de controle comandado por militares do Reino Unido e do Afeganistão. Os soldados não usavam coletes à prova de balas. Sem avisar, pelo menos um policial afegão abriu fogo contra os militares britânicos, que responderam aos disparos. Pelo menos um policial afegão foi mortos e outros dois foram feridos. Ainda não está claro se o responsável pelos disparos contra os britânicos foi atingido.

 

Segundo o Ministério da Defesa britânico, o ataque será investigado. O incidente ocorre quase exatamente um mês depois de um policial afegão ter aberto fogo contra soldados americanos, matando dois militares dos Estados Unidos antes de fugir.Fontes militares indicaram que não se sabe os motivos do ataque e o paradeiro do autor dos disparos.

 

As operações e os treinamentos conjuntos de policiais e soldados afegãos são elementos-chave da estratégia da Otan para fazer frente à insurgência imposta pela milícia fundamentalista islâmica Taleban no Afeganistão.

 

O primeiro-ministro do Reino Unido, Gordon Brown, qualificou a morte dos militares de "perda terrível" e se solidarizou com as famílias, os amigos e os colegas dos militares mortos. "Lutaram para fazer do Afeganistão (um país) mais seguro, mas principalmente para que o Reino Unido esteja mais seguro (da ameaça) do terrorismo e o radicalismo que continuam nos ameaçando a partir das áreas fronteiriças do Afeganistão e do Paquistão", disse Brown.

 

Uma escalada de violência na guerra liderada pelos EUA, uma abrupta subida no número de baixas militares britânicas e a preocupação com a corrupção no governo do presidente afegão, Hamid Karzai, criaram uma dor de cabeça para o premiê britânico. Meses antes das eleições para o Parlamento, marcadas para junho de 2010, Brown enfrenta uma crescente onda de críticas por conta do número de soldados, as táticas e equipamentos utilizados na guerra, incluindo a falta de helicópteros, o que teria colocado em risco os soldados britânicos.

 

O número de mortos foi um dos mais altos entre britânicos em um único ataque desde a invasão. Londres mantém cerca de 9.000 soldados em solo afegão. No mês passado, Brown anunciou planos de enviar mais 500 soldados para o conflito.

Mais conteúdo sobre:
Afeganistão Reino Unido

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.