1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Premiê ucraniano diz que não cederá 'um centímetro' de seu território à Rússia

Agência Estado e Efe

09 Março 2014 | 09h 31

Anúncio ocorre depois que forças de segurança da Rússia e homens armados pró-Kremlin tomaram o controle da península da Crimeia no Mar Negro

O primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk, prometeu no domingo, 9, que a Ucrânia não cederá nem "um centímetro" do seu território à Rússia. "Essa é nossa terra. Não daremos nem um centímetro dela. Por esta terra deram seu sangue nossos pais e avôs. A Rússia e seu presidente deveriam saber disso", disse Yatseniuk, ao discursar em um comício em Kiev perante a estátua do poeta e herói nacional ucraniano, Taras Sevchenko, no 200º aniversário de seu nascimento.

 

O anúncio feito pelo premiê ocorre depois que forças de segurança da Rússia e homens armados pró-Kremlin tomaram o controle da península da Crimeia no Mar Negro. 

 

"Que o saibam a Rússia e seu presidente. Nossa resposta à Rússia só pode ser uma: unidade, convencimento, clareza de alvos e fé que vamos pelo bom caminho", acrescentou Yatseniuk.

 

O chefe do governo interino ucraniano reconheceu que a Ucrânia está "perante o maior desafio para o país e para o povo em toda a história da independência" e se perguntou se serão "capazes de superar este desafio".

 

"Nossa resposta só pode ser uma: sim, venceremos", porque, acrescentou: "Conosco está a verdade, está Deus, está a Ucrânia e está nosso grande Taras".

 

Os participantes do comício guardaram um minuto de silêncio pela centena de pessoas mortas no centro de Kiev durante os graves distúrbios de fevereiro, que provocaram queda do governo do presidente Viktor Yanukovich.

 

Enquanto isso, na cidade de Donetsk, povoada majoritariamente por pessoas de origem russa, acontecem hoje duas manifestações opostas, uma pró-russa e outra dos partidários da unidade territorial da Ucrânia, da qual participa o líder do partido Udar (Golpe), Vitali Klitschko, um dos dirigentes, junto com Yatseniuk, do levante que provocou a mudança de poder em Kiev.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo