EFE/EPA/JAVIER ETXEZARRETA
EFE/EPA/JAVIER ETXEZARRETA

Presença norte-coreana nos Jogos Olímpicos custará US$ 2,6 milhões a Seul

Valor cobre transporte, alojamento, refeições e outros gastos de 229 animadoras de torcida, equipe de demonstração de taekwondo e 140 intérpretes, segundo ministério da Unificação e será pago diretamente aos fornecedores para não violar sanções contra o Norte

O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 09h12

SEUL - Seul aprovou nesta quarta-feira um orçamento de US$ 2,6 milhões para cobrir os gastos dos norte-coreanos que viajaram aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang, informaram as autoridades, depois que o líder da Coreia do Norte, Kim Jong-un, elogiou a hospitalidade do Sul.

Kim Jong-un recebe irmã como heroína e reforça aproximação com Coreia do Sul

A conta para a estadia dos 22 atletas norte-coreanos que disputam os Jogos será paga de forma separada pelo Comitê Olímpico Internacional (COI), informaram fontes do ministério da Unificação. 

A verba pagará o transporte, alojamento, refeições e outros gastos das 229 animadoras de torcida, de uma equipe de demonstração de taekwondo e de 140 intérpretes, de acordo com o ministério.  

Seul trabalha com cuidado para assegurar que a visita dos norte-coreanos não desobedeça nenhuma das sanções que afetam Pyongyang por seu programa nuclear e de mísseis balísticos. O dinheiro será repassado diretamente aos fornecedores e não aos funcionários norte-coreanos. 

Presidente do COI planeja visita à Coreia do Norte após os Jogos de Inverno

O ministro da Reunificação, Cho Myoung-gyon, disse que a presença dos delegados do Norte em Pyeongchang gera um "impulso chave para melhorar as relações inter-coreanas e assegurar a paz na península coreana". 

Ao mesmo tempo, o ministro reconheceu as preocupações geradas pela presença dos norte-coreanos. "Temos bem clara as regras do COI, as normas internacionais e as sanções contra o Norte", completou Cho, citado pela agência Yonhap. 

O líder norte-coreano Kim Jong-un agradeceu as boas-vindas de Seul à delegação de seu país, que incluiu sua irmã, Kim Yo-jong. Durante a viagem, Kim Yo Jong apertou a mão do presidente sul-coreano Moon Jae-in, torceu ao lado dele pela seleção unificada de hóquei feminino e transmitiu um convite de seu irmão Kim Jong Un para uma reunião em Pyongyang. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.