EFE/Etienne Laurent
EFE/Etienne Laurent

Presidente do Conselho Europeu pede que Trump não piore o ‘clima’ político

Donald Tusk afirmou que Europa tem a ‘obrigação’ de enfrentar os EUA se país deixar o Acordo de Paris; presidente americano anunciará decisão sobre pacto às 16h

O Estado de S.Paulo

01 Junho 2017 | 08h29

BRUXELAS - O presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, pediu nesta quinta-feira, 1.º, ao presidente dos EUA, Donald Trump, que não piore o "clima" político, horas antes de o magnata anunciar se vai retirar seu país do Acordo de Paris, que luta contra o aquecimento global.

"Donald Trump, por favor não mude o clima (político) para pior", escreveu Tusk em sua conta no Twitter.

Na véspera, o líder americano disse que irá anunciar sua decisão sobre o pacto climático nesta tarde, às 15h (16h em Brasília).

No mesmo horário, Tusk e o presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, jantarão em Bruxelas com o primeiro-ministro da China, Li Keqiang, iniciando uma cúpula entre a União Europeia e o país asiático.

Espera-se que Pequim e Bruxelas, que passaram meses coordenando uma posição conjunta em caso dos EUA deixarem o acordo para evitar o superaquecimento do planeta, lancem uma mensagem forte de apoio ao Acordo de Paris.

Na terça-feira, o presidente da Comissão Europeia disse que a Europa tem a "obrigação" de enfrentar os EUA, caso Trump decida não aplicar o pacto assinado em 2015 em Paris por 193 países.

Pequim. A China anunciou que respeitará o Acordo de Paris. "A China seguirá implementando as promessas que fez durante o Acordo de Paris", disse o primeiro-ministro chinês, Li Keqiang, em Berlim, após um encontro com a chanceler alemã, Angela Merkel.

"Mas, certamente, esperamos contar com a cooperação dos demais", completou, em uma referência às ameaças de Trump sobre uma possível retirada do acordo.

Pequim foi, ao lado da administração americana presidida na época por Barack Obama, um dos principais artífices do acordo histórico.

"Uma vez alcançado certo nível de desenvolvimento, a China deve adotar um modelo sustentável, o que significa que temos que estimular um crescimento verde", afirmou Li na capital alemã.

Merkel, que não falou sobre Trump, celebrou o fato de a China "respeitar seus compromissos sobre o acordo climático".

Os dois líderes fizeram claras referências ao posicionamento de Trump, poucos dias depois de a chanceler alemã ter criticado Washington. "Ambos somos partidários do livre comércio e de uma ordem mundial com base em regras", disse Merkel, ao demonstrar sua oposição ao protecionismo e unilateralismo que Trump defende desde sua eleição. / AFP e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.