Presos chilenos fazem greve de fome

Trezentos prisioneiros da penitenciária de Puente Ato, na zona montanhosa de Santiago, iniciaram nesta terça-feira uma greve de fome em solidariedade aos 26 reclusos mortos na segunda-feira em um trágico incêndio na prisão de Iquique, a 1.800 km ao norte da capital chilena. A Corte de Apelações de Iquique, a pedido do governo, designou o juiz Jaime Chamorro para investigar as várias versões que circulam a respeito do sinistro. Por enquanto estaria descartada a hipótese de que uma rebelião teria originado a tragédia, e a versão mais aceita é a de que as chamas teriam sido provocadas por um curto-circuito, ou segundo as últimas versões, por um vazamento de gás. O juiz Chamorro deverá determinar a origem do incêndio no pavilhão número 5 da penitenciária de Iquique, enquanto especialistas do Serviço Médico legal continuam trabalhando na identificação final dos corpos, vários dos quais totalmente carbonizados.

Agencia Estado,

22 Maio 2001 | 23h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.