1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Prévias republicanas são termômetro de campanha contra Donald Trump

- Atualizado: 04 Março 2016 | 19h 54

Após uma série de ataques e discursos para desabonar o polêmico empresário, partido terá ideia se esforço está dando certo com as votações em outros cinco Estados entre hoje e amanhã

WASHINGTON - Após uma semana que consolidou Donald Trump à frente de Ted Cruz e Marco Rubio – e dividiu a legenda na corrida à Casa Branca –, o Partido Republicano terá hoje e amanhã mais uma rodada de prévias para a escolha de delegados que votarão na convenção de julho e definirá um candidato à presidência dos EUA. Nos dois dias de votação, o partido saberá se sua estratégia para desabonar Trump está tendo algum efeito. 

Nesse esforço para reverter a vantagem do bilionário, que com sua retórica xenófoba e racista já mancha a imagem do partido, os dois candidatos que disputam o segundo lugar na preferência das pesquisas se uniram nos ataques a ele na quinta-feira à noite.

Donald Trump: magnata, celebridade e pré-candidato à Casa Branca
AP Photo/John Minchillo
Donald Trump: magnata, celebridade e pré-candidato à Casa Branca

Donald John Trump, 69 anos, é um magnata do setor imobiliário e pré-candidato pelo Partido Republicano à presidência dos EUA

 

Nesse mesmo dia, um dos mais importantes nomes republicanos da atualidade e ex-candidato em 2012, Mitt Romney fez um duro ataque a Trump, tentando desacreditá-lo como representante dos republicanos na corrida presidencial. 

Em tom de urgência, os senadores Cruz (Texas) e Rubio (Flórida) atacaram Trump, que respondeu de forma ríspida. Jornais americanos criticaram a falta de novos argumentos e o festival de agressividade. O quarto candidato da disputa, o governador de Ohio, John Kasich, evitou os ataques pessoais e disse que era o único capaz de vencer a pré-candidata democrata Hillary Clinton. 

Apesar das críticas ao magnata, no entanto, Cruz e Rubio disseram que o apoiarão relutantemente se for escolhido como candidato do partido para a eleição de novembro. 

Questionados pelos moderadores do canal de TV Fox News, os três pré-candidatos assumiram esse compromisso apesar dos esforços de veteranos do Partido Republicano para criar uma coalizão de eleitores republicanos anti-Trump e escolher outra pessoa no lugar do incendiário bilionário de Nova York.

Embora os três concorrentes de Trump tenham seguido o dogma do partido, insistindo que colocarão suas preocupações de lado e endossarão o indicado da legenda, disseram que o farão com relutância. 

Johnny Depp interpreta Donald Trump em paródia na internet
Divulgação /Funny or Die
Depp vive Trump

O primeiro lugar de Donald Trump entre os pré-candidatos nas primárias de New Hampshire foi marcado também com um documentário-paródia online sobre o magnata do ramo imobiliário estrelado por Johnny Depp. A produção é do site humorístico Funny or Die.

Indagado sobre se apoiará o escolhido republicano caso se trate de outro que não ele, Trump pareceu surpreso com a pergunta, dado o bom momento de sua campanha, mas finalmente respondeu “sim, irei”. Trump, de 69 anos, defendeu-se do ataque contundente de Romney e o chamou de candidato fracassado.

Escolhas. Entre hoje e amanhã, o partido terá primárias ou caucuses nos Estados de Kansas, Kentucky, Louisiana, Maine e Porto Rico. Os Estados poderão servir de termômetro do esforço do establishment republicano para evitar a indicação de Trump. 

Ontem, um dos principais grupos contrários a Trump dentro da legenda, o Comitê de Ação Política (PAC) Our Principles (Nossos Princípios) informou sua arrecadação mais que dobrou na última semana, segundo seu porta-voz, Tim Miller, indicando que mais pessoas estão dispostas a evitar que o bilionário vença. 

Números não oficiais mostram que o PAC teria arrecadado cerca de US$ 3,6 milhões nesse período. Uma das cabeças do grupo é a família de bilionários Ricketts, de Nebraska – Estado que terá hoje uma primária do Partido Democrata. 

Grupos conservadores como American Future Fund and Club for Growth também viram crescer as arrecadações para suas próprias campanhas contra o bilionário, após as vitórias de Trump nas primárias na semana passada e na Superterça que solidificaram seu nome como líder da corrida. 

Segundo muitos analistas políticos, porém, essa reação pode ter vindo tarde demais. Ignorar a preferência daqueles que deram 10 vitórias a Trump em 15 prévias poderia ter um custo ainda maior para o Partido Republicano. A melhor opção agora seria tentar impedir que ele consiga o número necessário de delegados na Convenção Nacional Republicana. 

Já há reação também do lado democrata. Grupos de ativistas e políticos hispânicos lançaram uma nova campanha para incentivar a presença e a influência dos latinos no processo eleitoral. “Donald Trump ameaça a democracia nos EUA”, declarou o deputado por Illinois, Luis Gutiérrez, durante o lançamento da campanha Latinos Despiertos, que reúne políticos hispânicos e grupos comunitários e religiosos em Chicago. 

Na opinião do parlamentar, a comunidade hispânica está sob ataque e deve enfrentar com o voto as táticas de “ódio, intolerância e preconceito” do magnata, que no discurso que o lançou candidato chamou imigrantes mexicanos de “criminosos” e “bandidos”. 

Os grupos têm destacado o aumento do registro de latinos jovens para votar. Segundo eles, desde junho, quando Trump anunciou sua candidatura, esse crescimento foi de 60%. / AFP, AP, EFE e REUTERS 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX