1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Principais cidades da Síria respeitam o cessar-fogo

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 16h 47

A esperada trégua entrou em vigor à zero hora local deste sábado, após um acordo fechado entre Rússia e Estados Unidos com o apoio das Nações Unidas.

As principais cidades da Síria acordaram neste sábado sem o som das bombas depois da entrada em vigor do cessar-fogo entre o regime e os rebeldes, informaram o Observatório Sírio dos Direitos Humanos (OSDH) e vários militantes.

A aviação russa anunciou neste sábado a suspensão por um dia de todas as missões de seus aparelhos no país para apoiar o cessar das hostilidades, segundo declarou Serguei Rudskoi, representante do Estado-Maior das forças armadas russas.

Menino brinca em rua do bairro de Tishreen, em Damasco, após a entrada em vigor do cessar-fogo 

Menino brinca em rua do bairro de Tishreen, em Damasco, após a entrada em vigor do cessar-fogo 

Por outro lado, um carro-bomba explodiu na manhã deste sábado na entrada de Salamiya, na Província de Hama, causando duas mortes, segundo a agência oficial Sana. Segundo o OSDH, as vítimas foram dois soldados, mas não se falou de uma quebra da trégua.

O esperado cessar-fogo entrou em vigor à zero hora local deste sábado (19h de Brasília de sexta-feira), após um acordo fechado entre Rússia e Estados Unidos com o apoio das Nações Unidas.

Exatamente no primeiro minuto de sábado, as armas silenciaram nos subúrbios de Damasco e na cidade de Alepo, no norte do país, observou a agência France-Presse. A população saiu às ruas para aproveitar o momento excepcional de calma.

Segundo o OSDH, a calma reinava nas províncias de Homs (centro), Damasco e na região de Alepo (norte). Em todas elas há rebeldes e tropas do regime.

De acordo ainda com o OSDH, ocorreram apenas confrontos esporádicos entre as forças do regime e os jihadistas do grupo Estado Islâmico (EI) e da Frente Al-Nusra. Os jihadistas também enfrentaram os curdos na província de Raqa (norte).

O mediador das Nações Unidas para a Síria, Staffan de Mistura, informou que há uma investigação aberta sobre um "incidente" ocorrido logo após a entrada em vigor do cessar-fogo, e avaliou que, inevitavelmente, ocorrerão "incidentes".

A trégua, apoiada por uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, é a primeira deste tipo em cinco anos de guerra, que já deixou 270 mil mortos.

O cessar-fogo não envolve os grupos jihadistas Estado Islâmico e Frente Al-Nusra, braço sírio da Al-Qaeda, que controlam importantes zonas do território sírio. De Mistura anunciou sua intenção de convocar para 7 de março uma nova rodada de negociações de paz.

"Sob a condição de que se respeite a suspensão das hostilidades, se Deus quiser e diante da manutenção da entrega da ajuda humanitária, tenho a intenção de voltar a convocar (...) negociações sobre a Síria na segunda-feira, dia 7 de março", declarou Mistura ao Conselho de Segurança.

As conversações precedentes, realizadas em Genebra, foram suspensas no começo de fevereiro.

Imediatamente após a declaração de De Mistura, o Conselho de Segurança adotou - por unanimidade - uma resolução que endossa o cessar-fogo e "exige a suspensão das hostilidades.

O Conselho exortou "todas as partes a respeitar a suspensão das hostilidades" e pediu aos membros do grupo de apoio internacional à Síria "que usem sua influência sobre as partes envolvidas visando garantir o respeito de seus compromissos" e favorecer a aplicação de uma trégua "durável".

A resolução pede, mais uma vez, um acesso humanitário "livre, seguro e rápido" na Síria, em particular para os 4,6 milhões de sírios que se encontram bloqueados em zonas assediadas ou de difícil acesso.

O presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, advertiu Moscou e Damasco que o "mundo está observando" o respeito da trégua.

Mas, durante a trégua, o regime sírio, seu aliado russo e a coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos poderão atacar o Estado Islâmico e a Frente Al-Nusra, que ocupam mais metade da Síria.

O chefe da Frente Al-Nusra, Mohamad al Kholani, convocou os opositores de Assad a rejeitar o cessar-fogo e a intensificar os ataques contra o regime. "Cuidado com a armadilha do Ocidente e dos Estados Unidos".

Em Moscou, o presidente russo, Vladimir Putin, prometeu prosseguir com sua "luta implacável" contra o EI, a Frente Al-Nusra e outras "organizações terroristas" excluídas da trégua.

A Turquia, na fronteira com a Síria, declarou estar "seriamente preocupada" com a viabilidade do cessar-fogo. A aviação turca bombardeira as forças curdas sírias e considera que não está comprometida com a trégua. / AFP 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX