1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Procurador da Colômbia quer barrar referendo sobre acordo de paz com Farc

- Atualizado: 11 Março 2016 | 14h 33

Para Eduardo Montealegre, fim do conflito ‘não pode estar submetido a um resultado eleitoral’. Enquanto governo colombiano defende a convocação de um referendo para aprovar o tratado final, guerrilha prefere uma Assembleia Constituinte

BOGOTÁ - O procurador-geral da Colômbia, Eduardo Montealegre, pediu nesta sexta-feira, 11, à Corte Constitucional que declare inconstitucional a convocação de um referendo sobre o futuro acordo de paz com as Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc), já que o fim do conflito "não pode estar submetido a um resultado eleitoral".

O pedido, que a procuradoria divulgou em comunicado, sustentou que, "apesar da participação popular ser um elemento valioso em uma democracia, isto não pode implicar que as faculdades do Presidente da República para alcançar a paz tenham que estar condicionadas ao veredicto da população".

O dia a dia dos guerrilheiros das Farc
AP Photo/Rodrigo Abd
O dia a dia dos guerrilheiros das Farc

Marcela, uma rebelde da Frente 36 das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), se prepara para tomar banho em um riacho perto do esconderijo grupo no Estado de Antioquia, na região andina do país. Veja mais notícias sobre as Farc

"O desenvolvimento constitucional e legal do acordo final para o fim do conflito não pode estar submetido a um resultado eleitoral. Ele deve se desenvolver no marco das faculdades constitucionais do governo, do Congresso, do Judiciário, dos Organismos de Controle e das Entidades Públicas", acrescentou o texto.

Por isso, Montealegre solicitou à Corte Constitucional "que declare inexequível o projeto de Lei Estatutária que regulamenta o referendo do acordo final de paz", que o governo e as Farc esperam alcançar nas próximas semanas.

A convocação de um referendo para aprovar os acordos de paz foi defendida várias vezes pelo presidente da Colômbia, Juan Manuel Santos. Já as Farc manifestaram preferir uma Assembleia Constituinte, possibilidade rejeitada pelo governo.

As Farc na Colômbia
AFP PHOTO/Marcelo SALINAS
As Farc na Colômbia

Soldados da Frente 53, braço das Forças Revolucionárias da Colômbia (Farc), aguardam instruções nas colinas de Los Alpes

Sobre esta consulta, Santos disse na semana passada que não cogita "uma vitória do não" e acrescentou que sente "o entusiasmo que existe para dar este grande salto rumo à paz". "O povo colombiano não é um povo míope, é inteligente, é visionário e sabe o que mais o convém", comentou.

Para o procurador, o projeto da Lei Estatutária "parte de um pressuposto equivocado, segundo o qual, antecipar e culminar um processo de paz na Colômbia necessitaria de referendação", o que, sustentou Montealegre, "é contrário à Constituição".

Neste sentido, o funcionário acrescentou que, caso no plebiscito vença o "não", "as faculdades constitucionais do poder público estariam limitadas para conseguir e implementar a paz, o que seria contrário à Constituição".

Montealegre concluiu no documento que o plebiscito "não pode ser vinculativo para a aprovação do acordo final, nem para seu desenvolvimento, já que o presidente tem plenas faculdades constitucionais para antecipar e levar a um bom término o processo de paz". /EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX