Enrique Marcarian REUTERS
Enrique Marcarian REUTERS

Procuradoria argentina pedirá pena contra Menem por caso Amia

Outro caso por acobertamento e 'traição à pátria' corre nos tribunais, e tem entre os acusados a ex-presidente Cristina Kirchner e seu ex-chanceler Héctor Timerman

O Estado de S.Paulo

21 Dezembro 2017 | 12h24

BUENOS AIRES -  O Ministério Público argentino vai apresentar nesta quinta-feira, 21, suas alegações finais e o pedido de pena pelo acobertamento do atentado contra a Associação Mutual Israelita Argentina (Amia) em 1994, em um caso que levou o ex-presidente Carlos Menem, entre outros, ao banco dos réus.

+ Com prisão decretada, Cristina denuncia perseguição da Justiça argentina

O julgamento começou em agosto de 2015 para esclarecer as manobras de desvio da investigação e as pistas falsas pelo ataque explosivo que derrubou o edifício que abrigava as instituições judaicas da Argentina, com saldo de 85 mortos e 300 feridos.

"Os integrantes da Unidade Fiscal de Investigação concluirão a leitura de suas alegações e farão o pedido de penas para os 13 imputados do julgamento", disse à AFP Adriana Reisfeld, da organização Memória Ativa, que reúne os familiares das vítimas e personalidades que pedem justiça.

Além de Menem (1989-99), são julgados o ex-juiz encarregado do caso AMIA, Juan José Galeano; o ex-chefe dos serviços de Inteligência Hugo Anzorreguy; o ex-líder político da coletividade judaico-argentina Rubén Beraja; os procuradores Eamon Mullen e José Barbaccia; e o vendedor de automóveis usados Carlos Telleldín, entre outros.

+ Os casos contra Cristina Kirchner na Justiça argentina

"Nossos olhares voltados para esse julgamento são a garantia de um processo transparente e imparcial que, esperamos, possa mps trazer a justiça pela qual lutamos há anos", disse a dirigente, que perdeu sua irmã Noemí no atentado.

Fontes da investigação destacaram que um empresário sírio, amigo de Menem, e já falecido, Alberto Kanoore Edul, pode ter colaborado no atentado. 

Outro caso por acobertamento e "traição à pátria" corre nos tribunais, e tem entre os acusados a ex-presidente Cristina Kirchner e seu ex-chanceler Héctor Timerman.

+The Economist: Trocando o peronismo pela sobriedade

Um juiz assegura que Kirchner fez aprovar no Parlamento um memorando com o Irã para desviar o foco nos acusados. A Argentina acusou formalmente ex-governantes iranianos, entre eles o ex-presidente Ali Akbar Rafsanjani. Ninguém foi julgado pelo ataque, que não teve reivindicação. Em 1992, outro atentado destruiu a embaixada de Israel, com um balanço de 29 mortos e 200 feridos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.