AFP
AFP

Procuradoria do México diz que desarticulou grupo que coordenou fuga de ‘El Chapo’

Segundo procuradora-geral, todos os membros da organização foram detidos; eles teriam sido responsáveis por planejar, organizar e executar a fuga do traficante

O Estado de S. Paulo

22 Outubro 2015 | 09h25

CIDADE DO MÉXICO - A procuradora-geral do México, Arely Gómez, garantiu na quarta-feira que o grupo responsável por coordenar a fuga do traficante Joaquín "El Chapo" Guzmán de uma prisão de segurança máxima foi desarticulado, após várias prisões recentes.

Em mensagem para a imprensa, Arely explicou que foram detidos todos os membros do grupo responsável por planejar, organizar e executar a fuga do traficante, ocorrida no dia 11 de julho.

A procuradora-geral divulgou detalhes sobre a fuga e confirmou que "El Chapo" escapou por um túnel que ligava sua cela na penitenciária a um imóvel do lado de fora, e acrescentou ainda que, após escapar, o criminoso se transferiu por terra para o município de San Juan del Rio, no estado de Querétaro.

No local, o traficante era aguardado por duas aeronaves Cessna, que o levaram até seu esconderijo, cuja localização não foi detalhada pela procuradora, mas, de acordo com informações divulgadas nos últimos dias, seria em Sinaloa, seu estado natal.

Segundo um funcionário público, que pediu para não ser identificado, a segunda aeronave serviu apenas para despistar as autoridades. Nas últimas semanas, as operações de busca por Guzmán se concentraram na serra entre Sinaloa e Durango, estado vizinho.

Dois dos detidos são os pilotos das aeronaves, um deles "um dos pilotos históricos da organização criminosa" liderada por "El Chapo", o Cartel de Sinaloa.

Arely acrescentou que os dois pilotos também são responsáveis, segundo informação de inteligência, pelo transporte de droga via aérea para a organização.

Até o momento, 34 pessoas foram acusadas e colocadas à disposição de um juiz, entre funcionários públicos suspeitos de cumplicidade na fuga e supostos membros da organização criminosa que ajudaram "El Chapo" a escapar, informou a procuradora-geral.

Entre os que já se encontram à disposição de um juiz se destaca o principal operador e organizador da fuga, o advogado de Guzmán.

"(O advogado) entrava constantemente na penitenciária para receber instruções e informar sobre os avanços da fuga, e também fazia contatos e transmitia ordens para todos os participantes", indicou Arely.

Outro entre os detidos é a pessoa encarregada da coordenação das negociações para a compra do prédio onde se construiu o túnel até a prisão, um amigo íntimo de "El Chapo" que conviveu com ele na cadeia na década de 1990.

Está detido ainda o responsável por organizar e conduzir a construção do túnel, que, segundo os serviços de inteligência, "é reconhecido como o coordenador da construção de outros túneis na fronteira com os Estados Unidos".

O cunhado de "El Chapo" também está à disposição da Justiça mexicana. Ele é apontado como responsável pela supervisão da construção do túnel e "por coordenar a saída e o transporte do criminoso para um de seus esconderijos".

Além disso, a procuradora-geral afirmou que a fuga de "El Chapo" não se deu por "uma soma de casualidades", mas se tratou de uma operação perfeitamente orquestrada.

Arely comentou que há "avanços significativos" na investigação e que "novas linhas" estão sendo exploradas.

A titular da Procuradoria Geral do México explicou que durante as investigações, que ainda estão em curso, foram ouvidos 273 depoimentos e feitas 74 inspeções de busca, que permitiram a prisão de 34 pessoas e a apreensão de armas, drogas, imóveis e meios de transporte da organização criminosa.

A fuga do narcotraficante é a segunda a ocorrer em prisões de segurança máxima em pouco mais de 10 anos. A primeira foi em 2001. /EFE e ASSOCIATED PRESS

Mais conteúdo sobre:
México traficante prisão grupo El Chapo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.