1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Promotoria japonesa acusa 3 ex-diretores de Fukushima por negligência

- Atualizado: 29 Fevereiro 2016 | 10h 43

Presidente e dois vice-presidentes da Tokyo Electric Power (Tepco) na época do desastre não teriam tomado as medidas necessárias para evitar o acidente nuclear em 2011

TÓQUIO - A Promotoria do Japão acusou nesta segunda-feira, 29, três ex-diretores da operadora da central de Fukushima por não terem tomado as medidas necessárias para evitar o desastre nuclear de 2011, o que representa o primeiro processo penal de responsáveis pela usina, informou a emissora pública "NHK".

Os três ex-diretores da Tokyo Electric Power (Tepco) processados por negligência na crise originada pelo terremoto e tsunami em 11 de março de 2011 são Tsunehisa Katsumata, de 75 anos e presidente da companhia no momento do acidente, e os ex-vice-presidentes Sakae Muto, de 65 anos, e Ichiro Takekuro, de 69 anos.

Tsunehisa Katsumata (E), então presidente da Tepco em 2011, e os ex-vice-presidentes Sakae Muto (C) e Ichiro Takekuro são acusados de negligência

Tsunehisa Katsumata (E), então presidente da Tepco em 2011, e os ex-vice-presidentes Sakae Muto (C) e Ichiro Takekuro são acusados de negligência

A decisão da Promotoria acontece depois de um grupo de atingidos apresentar uma primeira denúncia em 2012 contra um total de 42 autoridades e responsáveis pela usina que continuaram operando Fukushima Daiichi sem tomar medidas para garantir a segurança, apesar de conhecer os riscos.

Os três acusados não foram detidos e espera-se que se declarem inocentes segundo fontes citadas pela agência "Kyodo". Essas mesmas fontes acreditam que o julgamento só aconteça no fim de ano, em razão da demora para recolher todas as provas necessárias.

A acusação considera que o acidente em Fukushima, cujos reatores sofreram fusões parciais após perder o sistema de refrigeração, expôs aqueles que vivem ao redor a emissões muito radioativas. Além disso, se responsabiliza os diretores pelo fato de 13 pessoas, incluindo trabalhadores da usina e membros das forças armadas, tenham ficado feridas após o acidente e 44 tenham morrido após serem retiradas de um hospital onde estavam internadas, detalhou a "NHK".

A operadora da unidade reconheceu nesta segunda-feira que teve notícia da acusação de seus três ex-diretores através da imprensa, mas que decidiu não fazer comentários ao se tratar de um caso penal que está nos tribunais. A Tepco quis, no entanto, pedir desculpas "pela moléstia e pela preocupação causada aos moradores de Fukushima e ao resto da sociedade pelo acidente nuclear".

Em um primeiro momento, a Promotoria do distrito de Tóquio decidiu em setembro de 2013 desprezar o processo e não apresentou acusações ao considerar que era muito difícil prever a escala do tsunami que atingiu a usina.

Os litigantes solicitaram, no entanto, uma análise mais exaustiva e recorreram a um comitê de investigação judicial, um órgão raramente usado no Japão e formado por cidadãos, que em julho passado lhes deu a razão e passou de novo o caso à Promotoria.

As emissões e vazamentos de água contaminada produto do acidente, o pior desde Chernobyl, na Ucrânia, em 1986, ainda mantêm deslocadas milhares de pessoas que viviam perto da usina, e causaram danos milionários à agricultura, à pecuária, à pesca, e a outros muitos setores da economia local. / EFE

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX