Toru Yamanaka/AFP
Toru Yamanaka/AFP

Proteção sairá mais caro, dizem EUA à Otan

Em reunião da aliança, chefe do Pentágono pede que países aumentem gastos militares 

O Estado de S. Paulo

15 Fevereiro 2017 | 21h57

BRUXELAS - O secretário de Defesa dos EUA, James Mattis, alertou nesta quarta-feira, 15, que a Casa Branca moderará o compromisso com a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) se os demais membros da aliança não aumentarem seus gastos militares.

“Os EUA cumprirão com suas responsabilidades, mas, se as outras nações não quiserem ver os EUA moderando seu compromisso com essa aliança, cada uma delas tem de apoiar nossa defesa comum”, disse Mattis durante uma reunião dos ministros de Defesa da Otan.

Ao chegar ao encontro, Mattis ressaltou que a Otan é uma “base fundamental” para os EUA, mas pediu que cada aliado “assuma a parte proporcional” dos custos. O secretário de Defesa pediu um plano para que todos os países cumpram com a meta de investir 2% de seus PIBs no setor de defesa, como estabelecido na cúpula do País de Gales, em 2014.

“Se um país alcançar o objetivo de 2%, precisamos da ajuda dele para que outros aliados também o consigam. Se há um plano, nossa aliança conta com os senhores para que acelerem seus esforços e mostrem resultados finais. E, se ainda não há, é importante que estabeleçam em breve”, disse Mattis.

O chefe do Pentágono disse estar ciente da preocupação nos países europeus sobre o compromisso dos EUA com a Otan e a segurança no continente. Além disso, afirmou compreender que eles busquem “garantias e clareza sobre as intenções americanas”.

Para tentar responder à preocupação, Mattis disse representar o compromisso dos EUA e o forte apoio do presidente do país, Donald Trump, com a Otan. Ele também ressaltou que a aliança é “uma força de estabilidade na Europa, que ajuda a preservar as normas com base na ordem internacional em nível global e, em última instância, manter a paz e defender valores compartilhados”.

Questionado sobre as declarações de Mattis, o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, disse que o chefe do Pentágono mostrou um “forte compromisso” com a aliança. “Isso foi muito celebrado na reunião, porque todos os demais ministros expressaram o mesmo compromisso com a Otan. Todos entendemos que estamos mais seguros e mais fortes juntos”, disse Stoltenberg. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Otan Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.