1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Visão Global; análises e comentários de especialistas

Putin, Francisco e o patriarca

- Atualizado: 13 Fevereiro 2016 | 10h 14

Presidente russo busca popularidade política com a reunião entre papa e patriarca

O tempo que o presidente russo, Vladimir Putin, passou na KGB o ensinou como se beneficiar à custa de outros. Na excelente biografia de Steven Lee Myers, The New Star, o ex-chefe da sucursal do New York Times em Moscou, descreve como, trabalhando na Alemanha Oriental nos últimos anos do comunismo, Putin usou a fraqueza de seus oponentes para promover a causa soviética.

A reunião histórica entre o papa Francisco e o patriarca da Igreja Ortodoxa Russa em Cuba é mais uma ocasião que ele tentará usar em seu benefício. Essa foi a primeira reunião entre um pontífice católico e um patriarca russo desde o Grande Cisma do cristianismo, em 1054, quando divergências teológicas dividiram a fé em dois ramos, ocidental e oriental. Desde então, a Igreja Ortodoxa (em russo, a Pravoslavie, que significa literalmente “o culto correto”) é considerada a única forma certa de cristianismo na Rússia – as outras denominações são rejeitadas por apoiar o individualismo e um respeito insuficiente da alma humana.

Por quase um milênio, a animosidade pareceu insuperável. Nos tempos modernos, foi preciso a ameaça de uma guerra nuclear para surgirem iniciativas com o fim de restaurar o vínculo entre Oriente e Ocidente – mesmo assim, essa aproximação foi conduzida principalmente pelas autoridades seculares da Rússia. Em 1963, o então premiê soviético, Nikita Khruchev, ateu fanático, enviou seu cunhado e assessor Alexei Adzhubei para uma audiência com o então papa João XXIII.

Mas o avanço de fato ocorreu em 1989, quando o primeiro-ministro soviético Mikhail Gorbachev encontrou-se com João Paulo II, papa polonês que passara a década anterior fazendo oposição ao regime totalitário ateu soviético. Após o colapso da União Soviética, as relações continuaram a melhorar, com Boris Yeltsin, o primeiro presidente da Federação Russa, visitando o Vaticano em 1991 e 1998. Objeções feitas pela Igreja Ortodoxa Russa, no entanto, impediram o papa de aceitar convites para visitar Moscou.

As relações entre a Rússia e a Santa Sé assumiram novo significado depois de Putin se tornar presidente. Ao contrário dos soviéticos oficialmente ateus, Putin tem uma relação muito estreita com a Igreja Ortodoxa, defendendo valores sociais conservadores e procurando ampliar a influência russa no exterior.

Em 2007, a Igreja Ortodoxa Russa uniu-se a um ramo dissidente, a Igreja Ortodoxa Russa Fora da Rússia, que havia se separado em protesto contra os fortes vínculos da Igreja Ortodoxa Russa com os bolcheviques. “O retorno da unidade da Igreja é condição crucial para o renascimento da unidade perdida de todo o ‘mundo russo’, que sempre teve a fé ortodoxa como um de seus alicerces’”, declarou Putin em uma cerimônia marcando a ocasião.

A reunião de ontem em Cuba oferece a Putin a oportunidade de se tornar o líder russo que supervisionou o início de um diálogo entre as Igrejas Católica e Ortodoxa. A importância que ele dá a esse evento está refletida na própria improbabilidade.

Putin e Kirill, afinal, foram os líderes da crescente animosidade antiocidental e conduziram a Igreja Ortodoxa Russa na direção do conservadorismo, do nacionalismo e da intolerância. O patriarca – há rumores de que ele próprio teria pertencido à KGB – qualificou a guerra na Síria de “guerra santa”, acrescentando que “hoje, o nosso país talvez seja a força mais ativa no mundo a combater”. Francisco, pelo contrário, não só é claramente um progressista, recusando-se a caluniar os homossexuais, mas tem apelado repetidamente para uma solução pacífica do conflito sírio.

Ao deixar que essa reunião se realize – e não há dúvida de que deu sua aprovação –, Putin busca validação religiosa e popularidade política. O encontro também lhe permitirá, mais uma vez, provocar o Ocidente, indignado que está com a imposição de sanções contra seu país em razão do conflito na Ucrânia, da anexação da Crimeia e as críticas à sua intervenção na Síria.

A realização do encontro em Cuba foi uma estratégia inteligente. Em razão das sanções impostas à Rússia, a Europa era zona proibida. Mas Cuba, que recebeu assistência financeira crucial da União Soviética em troca da lealdade de Fidel Castro, é um lembrete muito forte da reivindicação da Rússia a ter uma relevância global.

Os dirigentes da ilha nunca denunciaram o Cristianismo de modo tão absoluto quanto os soviéticos e nos últimos 20 anos o país recebeu três visitas papais: João Paulo II em 1998, Bento XVI em 2012 e Francisco em 2015. Raúl Castro, irmão e sucessor de Fidel, já havia convidado o patriarca russo a uma visita, para ver em primeira mão que comunismo e cristianismo são compatíveis.

Para Putin, não poderia haver melhor ocasião para esse encontro. Os preços do petróleo despencando, o declínio espetacular do valor do rublo, as sanções em curso e as imagens sangrentas que chegam da Síria o deixam desesperado por notícias positivas. E que melhor oportunidade de foto do que o papa ao lado do seu mais próximo aliado político e espiritual? / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

*NINA KHRUSCHEVA É PROFESSORA DE ASSUNTOS INTERNACIONAIS E DIRETORA DA ÁREA DE ASSUNTOS ACADÊMICOS NA THE NEW SCHOOL

Visão Global; análises e comentários de especialistas
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX