Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP
Mikhail Klimentyev, Sputnik, Kremlin Pool Photo via AP

Putin agradece a Trump por evitar ação terrorista

Informações fornecidas pela CIA levaram à prisão de radicais do Estado Islâmico que planejavam um atentado contra uma catedral de São Petersburgo

O Estado de S.Paulo

17 Dezembro 2017 | 22h26

MOSCOU - O presidente russo, Vladimir Putin, telefonou neste domingo, 17, para Donald Trump para agradecer aos EUA por uma informação, dada pela CIA, que permitiu que a Rússia evitasse um ataque terrorista em São Petersburgo. Na sexta-feira, o serviço secreto do Kremlin anunciou que tinha desmantelado uma célula do Estado Islâmico, evitando um ataque que seria realizado no sábado.

A informação levou à localização de sete militantes radicais que realizariam o atentado. Eles foram presos entre quarta e quinta-feira, em São Petersburgo. “A ação permitiu que as forças de segurança da Rússia prendessem os responsáveis pelo possível ataque antes que ele fosse executado”, afirmou o Kremlin.

A imprensa da Rússia informou, na sexta-feira, que o Serviço Federal de Segurança (FSB) prendeu militantes do EI que estavam planejando um ataque suicida na Catedral da Nossa Senhora de Kazan, em São Petersburgo. Outros locais na segunda maior cidade da Rússia também seriam atacados.

“O FSB pôs fim, em São Petersburgo, às atividades ilegais de uma célula clandestina de membros do EI que se organizava para cometer atentados no dia 16 de dezembro”, dizia um comunicado do Kremlin. Ontem, outros três suspeitos foram presos. 

De acordo com o FSB, os militantes presos utilizavam o aplicativo Telegram para se comunicar com os líderes do EI no exterior. O Telegram foi multado na Rússia, no mês passado, por se recusar a dar acesso às conversas de dois suspeitos de participação no atentado no metrô de São Petersburgo, realizado em abril, que deixou 16 mortos e cerca de 100 feridos.

Um vídeo publicado pela Ria Novosti mostrou um homem identificado como Yevgeny Yefimov confessando que planejou o ataque frustrado. Posteriormente, o suspeito confirmou que o ataque seria contra a Catedral de Kazan.

“No telefonema de ontem, Putin agradeceu pela informação transmitida pela CIA e pediu também que Trump repassasse o agradecimento para os integrantes da agência que reuniram as informações que levaram às prisões”, afirmou Moscou em comunicado. O líder russo disse ainda que seu país vai alertar autoridades dos EUA se receber qualquer informação sobre algum ataque que esteja sendo planejado contra os americanos. O telefonema foi confirmado pela porta-voz da Casa Branca, Sarah Huckabee Sanders, no Twitter.

A conversa de ontem foi a segunda entre os presidentes desde a quinta-feira, quando eles se comunicaram após Putin ter mencionado, em uma entrevista coletiva de quatro horas, que a recente alta no mercado americano é um exemplo do sucesso de Trump. A Casa Branca respondeu que o presidente dos EUA agradeceu ao seu colega russo pelas declarações que ele fez, “reconhecendo a forte performance econômica dos EUA”.

Putin tem afirmado que a restauração dos laços entre Washington e Moscou é vital. No entanto, a relação entre os dois países está fragilizada em razão de desentendimentos sobre Ucrânia, Síria e a não proliferação nuclear. As alegações de que o Kremlin teria interferido nas eleições presidenciais americanas também prejudicaram a relação bilateral. Moscou nega que tenha tido influência no processo. Agências de inteligência dos EUA, no entanto, garantem que a interferência existiu. / REUTERS e WP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.