1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Putin destaca comércio em reunião com Poroshenko

PRISCILA ARONE, COM INFORMAÇÕES DA ASSOCIATED PRESS E DA DOW JONES NEWSWIRES - Estadão Conteúdo

26 Agosto 2014 | 12h 52

Para o presidente russo, a decisão da Ucrânia em assinar um acordo de associação com a UE levaria a enormes perdas para a Rússia, que seria forçada a proteger sua economia

Ukranian Presidentual PRess Service/AFP
Encontro que acontece em Minsk, a capital bielorrussa, e conta com a presença dos presidentes de Bielorrúsia, do Casaquistão e de três autoridades da União Europeia

Os presidentes da Ucrânia e da Rússia reúnem-se nesta terça-feira na Bielorrússia para discutir os confrontos entre rebeldes separatistas e tropas do governo no leste ucraniano. Vladimir Putin e Petro Poroshenko contam também com a presença dos presidentes de Bielorrúsia e do Casaquistão e de três graduadas autoridades da União Europeia (UE) no encontro que acontece em Minsk, a capital bielorrussa.

Putin dedicou a maior parte de seu discurso de abertura à questão comercial, argumentando que a decisão da Ucrânia em assinar um acordo de associação com a UE levaria a enormes perdas para a Rússia, que seria forçada a proteger sua economia. A Rússia contava com o fato de a Ucrânia se unir a uma união econômica rival da UE, formada também pelos governos russo, casaque e bielorrusso.

Desde o início da crise, Putin tem acusado o Ocidente de se intrometer nos assuntos internos ucranianos e de tentar prejudicar suas relações com a Rússia, atraindo a Ucrânia com um acordo de associação à UE.

Putin afirmou que um acordo comercial entre Kiev e a UE inundaria o mercado ucraniano com bens europeus, que poderiam terminar no mercado russo. "Numa situação como esta, a Rússia não pode ficar parada. E seremos impelidos, eu quero destacar isso, seremos impelidos a tomar medidas retaliatórias para proteger nosso mercado", afirmou o presidente russo.

A Ucrânia deve ratificar o acordo de associação com a UE em setembro.

A respeito dos confrontos, que começaram em abril entre as tropas ucranianas e separatistas pró-Rússia, Putin disse apenas que tinha certeza de que o conflito "não deve se resolvido com mais intensificação do cenário militar, sem levar em consideração os interesses vitais do sudeste do país e sem um diálogo pacífico de seus representantes".

É improvável que Poroshenko concorde com os frequentes pedidos da Rússia para a federalização da Ucrânia, o que significaria dar poderes maiores às regiões, mas pode concordar em conceder um grau maior autonomia.

O presidente ucraniano também se pronunciou contra a realização de um referendo para que a Ucrânia faça parte da Organização para o Tratado do Atlântico Norte (Otan). O desejo de Moscou de manter a Ucrânia fora da aliança militar é visto como uma das principais preocupações do governo russo.