1. Usuário
Assine o Estadão
assine


Putin diz que Ucrânia deve negociar sobre soberania com separatistas

The New York Times

31 Agosto 2014 | 21h 37

Presidente russo afirma que deve ser discutida a organização política da sociedade e independência do sudeste ucraniano para garantir os interesses dos que vivem ali

MOSCOU - O presidente russo, Vladimir Putin, pediu ao governo ucraniano, neste domingo, 31, que inicie conversações sobre a “condição de Estado” da região leste e sudeste da Ucrânia, em meio a confrontos das forças ucranianas e rebeldes separatistas pró-Rússia. Putin adotou expressão vaga e provocativa ao insistir que o governo ucraniano deve negociar diretamente com os rebeldes. 

Yurko Dyachyshyn/AFP
Ucraniano treina tiro em foto de presidente russo

Governos ocidentais acusam a Rússia de apoiar os separatistas com armas e de enviar soldados russos para conduzirem uma contraofensiva na Ucrânia em Mariupol, uma importante cidade portuária, que está sob a mira dos rebeldes. 

“Precisamos iniciar imediatamente negociações sólidas e conclusivas, não sobre questões técnicas, mas de organização política da sociedade e independência do sudeste da Ucrânia para garantir de modo incondicional os interesses legais das pessoas que vivem ali”, disse Putin. 

Segundo Dimitri S. Peskov, porta-voz do presidente russo, Putin não estaria exortando a independência da parte oriental da Ucrânia, mas insistindo em negociações abrangentes sobre uma maior autonomia para a região, que continuaria fazendo parte do país. 

As republicas de Luhansk e Donetsk, que se autoproclamaram independentes e em maio organizaram referendos sobre sua independência, vêm pedindo reiteradamente sua anexação à Rússia. Embora o governo do Kremlin tenha anexado a Crimeia em março, tem evitado reconhecer oficialmente os Estados separatistas na Ucrânia. 

Putin manifestou-se a respeito ontem durante entrevista a uma TV em Moscou. Ao mesmo tempo, líderes europeus pretendem realizar esta semana uma reunião de cúpula em Bruxelas com o objetivo de reforçar as sanções econômicas contra a Rússia se a escalada no conflito na Ucrânia prosseguir. 

Na entrevista, Putin alternadamente fez ameaças veladas e demandas para se iniciar negociações e solucionar o conflito na Ucrânia. 

Segundo o presidente, Kiev deve cessar as hostilidades imediatamente e retomar as compras de gás natural russo para sobreviver ao próximo inverno. 

“Acho que ninguém pensa nisso, salvo a Rússia”, disse Putin, referindo-se ao inverno. “Há maneiras de resolver a questão. Em primeiro lugar é preciso cessar imediatamente as hostilidades e se começar a restaurar a infraestrutura necessária. Dar início à reposição dos estoques, realizar as necessárias operações de reparação e se preparar para a estação de frio”. 

Putin elogiou o presidente ucraniano, Petro Poroshenko, depois de uma reunião mantida com ele em Minsk, na Bielo-Rússia, dizendo se tratar de “um parceiro com quem podemos manter um diálogo”. Anteriormente Putin havia endurecido sua retórica contr a Ucrânia, dirigindo-se diretamente no site do Kremlin “às milícias de Novorossiya” (Nova Rússia), polêmico nome dado à região que inclui os redutos rebeldes de Donetsk e Luhansk, outrora controlado pelo império russo. Em sua mensagem, Putin elogiou o sucesso da ofensiva rebelde. Insistiu para as milícias permitirem a abertura de corredores para as tropas ucranianas se retirarem, pedido que foi imediatamente atendido pelo primeiro-ministro da autodeclarada República Popular de Donetsk, Alexander Zakharchenko. O premiê afirmou, contudo, que as forças ucranianas deveriam entregar sua artilharia e veículos pesados.