AFP PHOTO / dpa / Britta Pedersen
AFP PHOTO / dpa / Britta Pedersen

Pyongyang volta a desafiar sanções e promete aumentar esforços para combater ameaça americana

Ministério norte-coreano das Relações Exteriores disse que as resoluções da ONU são uma ‘odiosa provocação’ destinada a violar seu direito legítimo de autodefesa; Exército de Seul realizou com sucesso seu primeiro exercício de fogo real com mísseis de cruzeiro de longo alcance

O Estado de S.Paulo

13 Setembro 2017 | 08h29

SEUL - A Coreia do Norte desafiou nesta quarta-feira, 13, mais uma vez as sanções impostas pelo Conselho de Segurança da ONU após o sexto e maior teste nuclear do regime norte-coreano, comprometendo-se a redobrar esforços para combater o que disse ser uma ameaça de invasão americana.

O Ministério norte-coreano das Relações Exteriores disse que as resoluções são uma "odiosa provocação” destinada a violar seu direito legítimo de autodefesa e tem como objetivo “sufocar completamente seu Estado e população por meio de um bloqueio econômico de escala total”.

“A Coreia do Norte redobrará os esforços para aumentar sua força para proteger a soberania e o direito à existência do país, e para preservar a paz e segurança da região estabelecendo o equilíbrio prático com os EUA”, afirmou em comunicado divulgado pela agência de notícias estatal norte-coreana KCNA.

O presidente dos EUA, Donald Trump, disse que as sanções de segunda-feira, aprovadas por unanimidade pelos 15 membros do Conselho, são apenas um pequeno passo em direção ao que é necessário em última instância para lidar com os programas nuclear e de mísseis de Pyongyang.

+ Coreia do Norte rejeita sanções e diz que EUA enfrentarão ‘maior dor’ que já sentiram

"A adoção de uma ilegal e maléfica nova 'resolução de sanções' impulsionadas pelos EUA constitui uma oportunidade para que a Coreia do Norte comprove que o caminho que escolheu é absolutamente correto", declarou o Ministério norte-coreano das Relações Exteriores.

Coreia do Sul

O Exército da Coreia do Sul informou nesta quarta-feira que realizou com sucesso seu primeiro exercício de fogo real com mísseis de cruzeiro de longo alcance, em uma manobra na qual simulou bombardeios a instalações importantes na Coreia do Norte.

O exercício aconteceu na véspera, em Taean, cerca de 150 quilômetros de Seul. Um caça F-15K disparou um míssil que voou 400 quilômetros e visou o alvo em águas perto da costa de Gunsan, disse a Força Aérea.

O sucesso e precisão do exercício mostra "a capacidade do Exército para responder a um ataque inimigo, bem como para realizar ataques com precisão a alvos estratégicos, mesmo de longe", detalhou a Força Aérea de Seul em um comunicado divulgado pela agência de notícias local Yonhap. / AFP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.