1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Visão Global; análises e comentários de especialistas

Quando os dois extremos concordam

- Atualizado: 13 Março 2016 | 19h 41

Crescimento da economia americana seria mais rápido se houvesse reformas no setor de tributos e regulamentação

A energia que alimenta a campanha presidencial nos Estados Unidos – de ambos os lados do espectro político – parece nascer de um profundo desespero diante da situação da economia americana. Em relação a essa questão, Bernie Sanders e Donald Trump têm uma mensagem surpreendentemente semelhante: a economia americana está falida. Mas será que esta análise está correta? 

A economia dos Estados Unidos criou 14 milhões de empregos no setor privado desde 2010. O desemprego caiu para menos de 5% e o número de pessoas que solicitam salário desemprego registrou a maior queda no ano passado. 

A média industrial Dow Jones mais que dobrou no governo de Barack Obama, enquanto as bolsas apresentam um desempenho mais vigoroso do que o registrado no mandato de qualquer outro presidente americano. Os mercados da habitação e da construção estão sólidos, as vendas de automóveis crescem continuamente – e até os salários começam a subir. 

O dilema fundamental dos americano é sobre os ganhos proporcionados pelo crescimento, a baixa inflação e a produtividade do setor tecnológico estarem disseminados por toda a população. Todos nós ganhamos com o custo menor dos produtos e com uma extraordinária tecnologia. Mas os custos de tudo isso – empregos perdidos, corte de salários – estão concentrados em um grupo menor de pessoas. São as vozes destas, compreensivelmente revoltadas, que ouvimos durante a campanha nestes dias. 

A atual recuperação tem sido muito menos robusta do que as anteriores. No entanto, muitos economistas previram esse cenário desde o começo, destacando que a desaceleração causada por uma crise financeira afeta a confiança dos consumidores e das empresas. 

A medida mais relevante é seguramente como os Estados Unidos saíram da recessão em comparação com as principais economias mundiais. Este ano, a economia americana provavelmente crescerá mais rapidamente do que a da zona do euro e quase três vezes mais do que a do Japão. 

Nos Estados Unidos, o Federal Reserve (Banco Central americano) começou a elevar os juros porque teme que o crescimento produza inflação, enquanto quase todos os principais bancos centrais pensam em cortar os juros para tentar desesperadamente reanimar a economia dos respectivos países. 

Na campanha republicana, uma das denúncias diz que o governo Obama estrangulou a economia com novas regulamentações. O elemento central desta denúncia é seguramente a Lei Dodd-Frank, um vasto e complexo conjunto de regulamentações de difícil compreensão que hoje monitoram o setor financeiro. 

Entretanto, como o jornal Financial Times noticiou nesta semana, os cinco principais bancos de investimento dos Estados Unidos captaram mais do que o dobro dos recursos em comparação aos seus equivalentes na Europa, superando “seus rivais europeus em quase todos os parâmetros financeiros no ano passado”. Seus lucros cumulativos antes dos impostos chegaram a US$ 33,5 bilhões, oito vezes os dos bancos europeus. “É a mais recente comprovação do crescente predomínio global dos bancos de investimento americanos”, conclui o Financial Times

O argumento segundo o qual a economia cresceria mais rapidamente se houvesse significativas reformas tributárias e da área da regulamentação é certamente plausível, em teoria. Ocorre que os Estados Unidos são uma economia muito competitiva. Um relatório recente elaborado pela UBS para o Fórum Econômico Mundial identificou os países mais aptos a se beneficiarem com a “quarta revolução industrial” – e os Estados Unidos ficaram em quinto lugar. 

É verdade que os Estados Unidos têm problemas, em razão também de sistemas tributários e de fiscalização muito complexos. Nos rankings divulgados recentemente pelo U.S. News & World Report, na categoria de país “aberto para negócios”, os americanos aparecem em um chocante 23.º lugar.

Contudo, existe um crescente consenso entre empresários e economistas quanto às inusitadas circunstâncias atuais, aliás, quase únicas, em que pessoas e companhias poupam demais, os salários são deprimidos, inflação inexistente e há o perigo concreto de uma deflação. 

Em um estudo publicado na revista Foreign Affairs, dois executivos de alto escalão da Blackstone, J. Tomilson Hill e Ian Morris, destacam que, atualmente, as evidências são claras na Europa: os países que empreenderam substanciais reformas estruturais, como Grécia e Portugal, não foram recompensados com o crescimento econômico. “As reformas para o mercado não corresponderam com uma forte recuperação econômica”, escreveram.

Sobre o mesmo tema, Lawrence Summers, ex-presidente de Harvard e ex-secretário do Tesouro dos EUA, explica cuidadosamente na Foreign Affairs, a razão pela qual o problema fundamental da economia é a falta de demanda (excesso de poupança e escassez de gastos) e defende como única solução um grande aumento dos gastos em infraestrutura. Antes disso, ele salientara que, como acontece em casa, adiar os gastos imprescindíveis com a manutenção levará o proprietário a se deparar com uma conta muito maior quando as coisas quebrarem de fato. Melhor tomar emprestado a juros historicamente baixos e gastar o dinheiro agora para impulsionar o crescimento, dando início a um ciclo virtuoso da demanda. 

“As futuras gerações poderão usufruir de condições melhores se deverem muito dinheiro em títulos de longo prazo a juros baixos em uma moeda que podem imprimir do que se herdarem uma vasta conta de manutenção que simplesmente foi sendo adiada”, ele escreve. 

Pelo que Donald Trump e Bernie Sanders vêm afirmando reiteradamente a respeito de infraestrutura durante a campanha, parece que eles concordam em grande parte neste ponto. Será que este poderia ser o começo de um programa bipartidário favorável ao crescimento dos Estados Unidos? /TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Visão Global; análises e comentários de especialistas
Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX