AP Photo/Alex Brandon
AP Photo/Alex Brandon

Quase 60 mil vistos já emitidos são cancelados após decreto de Trump

Documentos perderam validade após veto americano que proíbe entrada de cidadãos de sete países muçulmanos 

O Estado de S. Paulo

03 Fevereiro 2017 | 19h13

WASHINGTON - Quase 60 mil vistos emitidos previamente a cidadãos dos sete países atingidos pelo veto de imigração do presidente Donald Trump já foram invalidados desde a aplicação do decreto. O veto presidencial, temporário, proíbe a entrada nos EUA de pessoas de sete países de maioria muçulmana, ainda que o visto já tenha sido emitido.

O Departamento de Estado dos EUA informou nesta sexta-feira, 3, o número depois que fontes, citando documentos oficiais, terem afirmado à imprensa americana que a quantidade de documentos invalidados já havia chegado a 100 mil. 

O decreto do presidente, assinado no dia 27, com efeito imediato, espalhou caos pelos aeroportos dos EUA no fim da semana passada. Alguns viajantes estrangeiros foram devolvidos logo após chegarem ao país, multidões lotaram as áreas de desembarque com suas malas para protestar e questionamentos legais foram apresentados em tribunais. 

Ainda hoje, quatro Estados americanos entraram com pedidos de questionamento do decreto de Trump na Justiça. Eles alegam que a medida é inconstitucional. 

A argumentação foca no fato de que o veto escolhe as pessoas com base na religião, o que viola uma cláusula da Constituição que proíbe o governo de favorecer uma religião em detrimento de outra. O veto de Trump também afirma que somente refugiados cristão poderão agora ser acolhidos pelos EUA. 

Em Michigan, uma juíza distrital, Victoria Roberts, emitiu uma ordem impedindo temporariamente que o governo execute restrições de imigração, de acordo com um documento do tribunal. 

A juíza respondeu a uma moção feita pelo tribunal de Michigan que busca uma determinação permanente “que proíba a rejeição da entrada nos EUA de residentes permanentes legais e daqueles com vistos de imigrantes válidos”. / REUTERS 

Mais conteúdo sobre:
Donald Trump Estados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.