REUTERS/Dylan Martinez
REUTERS/Dylan Martinez

Conheça a Operação 'London Bridge', plano secreto para o funeral da rainha Elizabeth II

Segundo jornal britânico, resposta do Reino Unido à morte da monarca será ‘monumental’ em comparação à da princesa Diana; Parlamento ficará vários dias de luto e príncipe Charles será proclamado rei no dia seguinte

O Estado de S.Paulo

16 Março 2017 | 11h21

LONDRES - "London Bridge" ou Ponte de Londres é o nome do plano que o Reino Unido vai ativar no dia em que a rainha Elizabeth II morrer, conforme os detalhes dos preparativos que o jornal britânico The Guardian publicou nesta quinta-feira, 16.

Com o título "Operação London Bridge: o plano secreto para os dias seguintes à morte da Rainha", o jornal afirma que a resposta do país ao falecimento da monarca, de 90 anos, será "monumental" em comparação ao da princesa Diana, que morreu em um acidente de trânsito em 1997, em Paris.

Na operação, o secretário particular da rainha, Christopher Geidt, será o primeiro funcionário a dar a notícia, conforme o autor do texto, Sam Knight, que disse que seu artigo “se baseia em fatos".

Geidt entrará em contato com o chefe de governo de turno - atualmente a primeira-ministra, Theresa May - que será acordado, se a morte acontecer de madrugada. Já os funcionários serão informados por meio de uma linha interna segura, com a mensagem "Ponte de Londres caiu".

O Centro de Resposta Global do Ministério das Relações Exteriores, que fica em um lugar secreto de Londres, vai dar a notícia aos 15 governos dos países onde Elizabeth II é chefe de Estado, assim como a outros Estados da Commonwealth, indicou o jornal.

Espera-se que a população receba a informação rapidamente, já que ela será divulgada na prioridade 'flash informativo' à agência britânica Press Association e ao restante da imprensa simultaneamente, segundo o artigo do Guardian. A matéria lembra que quando o rei George VI - pai de Elizabeth II - morreu, às 7h30 do dia 6 de fevereiro de 1952, a BBC comunicou o acontecimento quase quatro horas depois.

Um funcionário vestido de luto irá ao Palácio de Buckingham para colocar na porta da residência real uma nota oficial sobre o falecimento da soberana. Conforme a London Bridge, os apresentadores dos noticiários vestirão roupas pretas e a programação será suspensa, já que todas as emissoras darão detalhes do ocorrido.

Segundo a matéria, também existem estratégias caso Elizabeth II - que em abril completa 91 anos e aparentemente goza de muita saúde - morra no Castelo de Balmoral, na Escócia, ou no exterior.

O Parlamento será convocado em caráter especial, fará vários dias de luto e o príncipe Charles, herdeiro da coroa britânica, será proclamado rei no dia seguinte à morte, às 11h locais. / EFE

Veja abaixo: Rainha Elizabeth II comemora 90 anos com súditos em Windsor

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.