1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Primavera Árabe

Repórter do 'Estado' preso na Líbia está sendo libertado, diz embaixada

O Estado de S. Paulo

10 Março 2011 | 09h 21

Contato direto com Andrei Netto, enviado especial ao país, havia sido perdido há uma semana

O embaixador da Líbia no Brasil, Salem Omar Abdullah Al-Zubaidi, informou nesta quinta-feira, 10, aos senadores Paulo Paim (PT-RS) e Eduardo Suplicy (PT-SP) que o correspondente do Estado em Paris Andrei Netto, preso na Líbia durante a cobertura dos confrontos entre rebeldes e forças do regime de Muamar Kadafi, está sendo libertado.

 

Veja também:

especialTwitter: Acompanhe os relatos do enviado do Estado

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise:  Revoluções marcam o o retrocesso da Al-Qaeda 

 

A conversa aconteceu há pouco, por telefone, durante a reunião da Comissão de Direitos Humanos do Senado, que é presidida por Paim. "Todas as autoridades da Líbia estão tomando as providências para que ele seja libertado", afirmou o senador Paim, repetindo as palavras que ouviu por telefone do embaixador.

 

Segundo os senadores, o embaixador disse que ele foi preso por não ter preenchido corretamente os documentos para entrar no país. A conversa com o embaixador se deu minutos depois da comissão ter aprovado uma moção de solidariedade do Senado ao Grupo Estado de São Paulo pela apreensão provocada com o desaparecimento do jornalista.

 

O Estado havia perdido todo contato direto com Netto. Até domingo, o jornal recebia informações indiretas de que seu repórter estava bem, escondido na região de Zawiya - cenário de violentos confrontos entre Kadafi e os insurgentes, a 30 quilômetros de Trípoli. A comunicação direta com a redação - por meio de telefonemas e e-mails - havia sido propositadamente cortada por segurança, afirmavam fontes líbias. 

 

Desde a última semana, O Estado tem acionado  diversas entidades internacionais, como  o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICR), a ONU e a ONG Repórteres Sem Fronteiras (RSF), além do governo brasileiro, a Embaixada da Líbia no Brasil,e vários veículos de comunicação nacionais e internacionais no sentido de garantir a integridade física e segurança do repórter.

Leia ainda:

linkFrança é o primeiro país a reconhecer grupo rebelde

link Forças de Kadafi bombardeiam cidade petrolífera Ras Lanuf

Primavera Árabe