Republicanos acusados de rasgar registros eleitorais

O professor substituto Adam Banse queria um emprego temporário com horas flexíveis neste verão, e então aceitou um trabalho de bater de porta em porta em Minneapolis para registrar novos eleitores. Ele se demitiu depois de duas horas. "Eles me disseram: ´se você trouxer um monte de fichas de democratas, você será demitido´", denunciou Banse. "Naquele momento eu pensei, ´Ei, tem alguma coisa errada aqui´". E não foi só ele. Em vários Estados-chave para as eleições presidenciais, uma firma de consultoria fundada pelo Comitê Nacional Republicano tem sido acusada de enganar pessoas que querem se tornar eleitores e destruir fichas de registro de democratas. Nos EUA, além de o voto não ser obrigatório, quem quiser votar tem de se registrar previamente junto às autoridades eleitorais. No formulário de registro, a pessoa pode declarar sua preferência partidária. A Sproul & Associates, baseada no Arizona, está sendo investigada em Oregon e Nevada por denúncias de que contratados seus foram instruídos a registrar apenas republicanos, e destruir formulários preenchidos por democratas. "Estamos levando essas denúncias muito a sério", afirmou o secretário de Estado de Oregon, Bill Bradbury, um democrata. Ele disse que pelo menos três reclamações formais foram recebidas por autoridades eleitorais do Estado. A porta-voz do Comitê Nacional Republicano, Heather Layman, garantiu que seu partido aceita todos os registros, e acusou os democratas de fabricar denúncias.

Agencia Estado,

22 Outubro 2004 | 18h27

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.