1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Revista satírica alemã diz que publicará caricatura de Maomé

Efe

20 Setembro 2012 | 08h 50

Esposa do ex-presidente alemão Christian Wulff, que renunciou em fevereiro, também estará na capa da revista

BERLIM - A revista satírica alemã Titanic anunciou nesta quinta-feira, 20, a publicação de uma caricatura do profeta Maomé na capa de sua edição de outubro. O profeta será retratado ao lado da esposa do ex-presidente alemão Christian Wulff, Bettina. Wulff renunciou em fevereiro após um escândalo de tráfico de influência.

 

Veja também:

linkFrança fechará embaixadas em 20 países após charges

video ANDREI: Charges e a liberdade de expressão

linkSemanário causa revolta contra a França

 

De acordo com o diretor da Titanic, Leo Fischer, a chamada da revista será "Ocidente em revolução: Bettina Wulff roda um filme sobre Maomé". Fischer falou a respeito da polêmica edição, que deve voltar a incendiar os ânimos dos muçulmanos na Europa, na versão digital de hoje do jornal Financial Times Deutschland.

 

A capa da revista, que será lançada dia 28 de setembro, mostra uma caricatura de Bettina Wulff nos braços de um guerreiro muçulmano com barba, turbante e um longo punhal que representa Maomé, segundo um esboço publicado pelo meio digital. A sátira pretende ser "uma advertência contra filmes ofensivos mal feitos, mas principalmente contra celebridades ultrapassadas que querem se beneficiar da crítica barata contra o Islã", afirmou o diretor da publicação.

 

Fischer ressaltou que sua revista não tem intenção de reproduzir as polêmicas caricaturas de Maomé publicadas pela publicação francesa Charlie Hebdo, pois as considerou sem graça e grosseiras. A Titanic reproduziu as polêmicas caricaturas do profeta Maomé publicadas em 2005 pelo jornal dinamarquês Jyllands-Posten, que provocaram protestos em vários países islâmicos.

 

Em 2006, a revista alemã foi protagonista de uma nova polêmica com a manchete "Comparação das religiões" e uma capa com quatro pênis de tamanhos diferentes, na qual o menor representava o islamismo.

 

A ex-primeira-dama alemã Bettina Wulff ocupou nas últimas semanas os meios de comunicação ao publicar suas memórias, que contam sua experiência como esposa do presidente e tentam afastar rumores sobre seu passado.