Rússia anuncia prisão de 11 extremistas islâmicos

Autoridades da cidade russa de Nizhny Novgorod capturaram 11 homens acusados de pertencer a um grupo extremista islâmico acusado atentados no Usbequistão. Os homens, todos com 25 anos ou mais, são acusados de pertencer ao Hizb-ut-Tahrir, ou Partido da Libertação, organização originária do Oriente Médio que busca criar um Estado islâmico mundial e afirma renegar a violência. O partido é ilegal no Usbequistão, no Quirguistão e na Rússia, onde foi classificado como grupo terrorista. Um dos suspeitos detidos pela polícia e por agentes do Serviço Federal de Segurança (FSB) é cidadão usbeque, informa a agência de notícias Itar-Tass. A agência e a TV estatal Rossiya informam que duas granadas foram apreendidas na mesma operação, bem como vídeos, fitas de áudio e impressos que "confirmam a atividade ilegal" do grupo. O representante do Hizb-ut-Tahrir em Londres, Imran Waheed, disse que o grupo tem membros na Rússia e outras antigas repúblicas soviéticas, mas não soube afirmar se os homens presos são realmente filiados. Waheed garantiu que o grupo condena a violência e questionou as "alegações do FSB de que membros estivessem de posse de granadas e outras armas". O presidente do Usbequistão, Islam Karimov, líder autoritário de uma nação fechada, acusa o Hizb-ut-Tahrir de ter inspirado os atentados de março, abril e julho no país, quando policiais foram atacados, bem como as embaixadas de Israel e dos EUA.

Agencia Estado,

01 Outubro 2004 | 16h22

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.