1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Rússia moveu tropas para melhorar segurança na fronteira

Agência Estado

20 Junho 2014 | 11h 53

As tensões na fronteira entre a Ucrânia e a Rússia se elevaram nesta sexta-feira, quando do Kremlin disse que transferiu alguns soldados para a região com o objetivo de fortalecer a segurança. O governo ucraniano, por sua vez, disse ter retomado o controle da fronteira.

O presidente do Parlamento ucraniano e o ministro da Defesa do país afirmaram que forças do governo retomaram vários postos fronteiriços abandonados duas semanas atrás e que haviam sido tomados por separatistas pró-Rússia, mas um líder rebelde rejeitou a ideia e disse que a fronteira continua nas mãos dos separatistas.

O novo presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, afirmou que as forças do governo precisam selar a fronteira com a Rússia antes que um cessar-fogo e um planos de paz possa ser implantado.

O presidente russo Vladimir Putin deve falar com o presidente Barack Obama por telefone nos próximos dias como parte de uma tentativa diplomática para resolver a crise, afirmou nesta sexta-feira uma conselheiro do Kremlin citado por uma agência de notícias russa.

Estados Unidos e União Europeia ameaçam aplicar mais sanções se a Rússia não agir para estabilizar o leste da Ucrânia. Kiev e Washington dizem que Moscou tem enviado combatentes irregulares e armamento pesado pela fronteira nas últimas semanas para dar apoio aos insurgentes. A Rússia nega.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse a agências de notícias russas nesta sexta-feira que a Rússia não está concentrando soldados, mas enviou algumas tropas para fortalecer a segurança na fronteira.

Pesados confrontos foram registrados nesta sexta-feira nas proximidades de dois pontos de cruzamento da fronteira e na cidade de Krasny Partisan, na região de Donetsk. Líderes rebeldes disseram a agências de notícias russas que aviões do governo lançaram bombas perto da capital regional, Lugansk.

Durante sessão no Parlamento ucraniano, o ministro interino de Defesa, Mikhail Koval, disse que havia sido informado que forças da Ucrânia haviam conseguido fechar a fronteira com a Rússia. O presidente do Parlamento, Oleksandr Turchynov, afirmou que soldados ucranianos haviam chegado ao cruzamento de Izvarino e efetivamente selado a passagem.

Mas Andrei Purgin, líder separatista em Donetsk, disse à Interfax que isso não é verdade. "Você certamente pode dizer que consegue plantar flores da Lua, mas todos sabemos que isso não acontece", afirmou ele à agência de notícias. "Talvez, em algumas outras regiões eles tenham fechado a fronteira, mas temos uma guerra em curso aqui e não há nada que eles estejam controlando." Fonte: Dow Jones Newswires.