Mario Vazquez de la Torre/AFP
Mario Vazquez de la Torre/AFP

Seca no México faz reaparecer igreja do século 16

A igreja de Santiago Apóstolo, ou Templo de Santiago, construída por monges dominicanos cinco séculos atrás, desapareceu em 1966

O Estado de S. Paulo

23 Outubro 2015 | 16h17

Uma igreja do século 16, submersa por uma barragem no sudeste do México por 49 anos, reapareceu depois de uma seca severa que baixar o nível da represa e tornou-se uma atração turística para ser visitada de barco.

A igreja de Santiago Apóstolo, ou Templo de Santiago, construída por monges dominicanos cinco séculos atrás, desapareceu em 1966 quando foi construída a primeira hidrelétrica sobre o poderoso Rio Grijalva, no Estado de Chiapas.

Juan Álvarez Díaz, barqueiro da sociedade cooperativa Quechula, disse à agência France-Presse que em 2002 foi a última vez que o templo foi visto em sua totalidade no povoado de Quechula, que não tem mais o telhado.

Naquele ano, o povoado "organizou uma peregrinação ao templo, carregando o santo padroeiro Santiago Apóstolo e a imagem da Virgem de Guadalupe", dois dos oito santos recuperados pelos índios zoque quando a barragem Malpaso tornou-se ativa, lembrou Álvarez Díaz.

Os índios mantinham o local como uma atração turística e religiosa. Álvarez Díaz disse que já levou muitos curiosos para visitar a igreja em seu barco, que carrega cerca de dez passageiros.

Entre mil e 2 mil índios zoques de Quechula foram realocados quando a barragem foi construída e as casas foram inundadas, assim como a igreja. O templo tem uma altura de aproximadamente 15 metros e 60 metros de comprimento.

Mais da metade da igreja, que ficava no centro da cidade, apareceu nas últimas semanas após uma seca na barragem Nezahualcoyotl. Os pássaros empoleiram-se nas ruínas, tomada pela vegetação.

No entanto, esta semana, o nível da água recomeçou a subir porque desde domingo não para de chover em Chiapas, em razão de uma tempestade tropical e uma frente fria sobre a região. / AFP

 

 

Mais conteúdo sobre:
México Guadalupe

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.