Rahmat Gul/AP
Rahmat Gul/AP

Secretário de defesa dos EUA escapa de foguetes do Taleban em Cabul

Cerca de 20 foguetes foram disparados nas proximidades do aeroporto da capital; resposta dos EUA causou mortes de civis

O Estado de S.Paulo

27 Setembro 2017 | 20h04

CABUL - Horas após o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Jim Mattis, desembarcar na capital do Afeganistão, militantes dispararam projéteis explosivos, incluindo morteiros, nas proximidades do principal aeroporto da cidade, tentando atingi-lo. Os EUA responderam com um ataque aéreo que matou civis, disseram autoridades nesta quarta-feira, 27. 

O ataque contra Mattis foi reivindicado pelo Taleban e pelo Estado Islâmico. Os confrontos e mortes ofuscaram a visita que tinha objetivo de demonstrar apoio dos EUA ao governo afegão e lembrar dos riscos associados a uma política norte-americana mais agressiva que deve aumentar o número de ataques aéreos.

Atiradores confrontaram as forças da segurança por grande parte do dia. Os norte-americanos organizaram um ataque aéreo, mas os mísseis não funcionaram como esperado, causando diversas mortes, segundo a missão da Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) no local. 

“Nós tomamos todas as precauções para evitar mortes civis", disse o comunicado, frisando que os afegãos estavam operando deliberadamente em locais que colocam os civis em alto risco. 

A visita de Mattis acontece após o presidente dos EUA, Donald Trump, anunciar uma nova estratégia para o Afeganistão, prometendo uma campanha militar reforçada contra o Taleban, que ganhou territórios. 

++ Chefe do Estado Islâmico no Afeganistão é morto pelos EUA

A estratégia dará a comandantes dos EUA maior liberdade para usar poder de fogo norte-americano contra os militantes, mas, falando poucas horas antes do ataque aéreo, Mattis disse que iria fazer “tudo humanamente possível” para evitar mortes civis.

“Nós estamos aqui para proteger o povo afegão enquanto nós atacamos os terroristas”, disse ele durante entrevista coletiva conjunta com o presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, e o secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, acusando militantes de se esconderem atrás de mulheres e crianças.

++ A presença de soldados dos EUA frente ao Taleban no Afeganistão

Acordo. Mattis disse que o Taleban não pode esperar por uma vitória militar e prometeu uma abordagem mais “holística”, sem prazos fixos e envolvendo outros países da região, incluindo o Paquistão. “O único caminho para a paz e legitimidade política para eles (Taleban) é através de um acordo negociado”, disse.

Ghani disse que seu governo “continua aberto para conversas com o Taleban”, assim como uma estratégia de paz envolvendo o Paquistão.

Mattis disse ainda que os EUA irão enviar mais 3 mil soldados para ajudar a treinar forças da segurança do Afeganistão, que estão focando em intensificar a força aérea e as forças especiais, mas deu poucos detalhes sobre o que irá mudar. / Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.