Mario Tama/Getty Images/AFP
Mario Tama/Getty Images/AFP

Secretário de Trump diz que decreto migratório deveria ter sido adiado

Em audiência na Câmara dos Deputados, John Kelly, que comanda a Segurança Interna, admite responsabilidade pelo caos provocado dentro e fora dos EUA e diz que medida deveria ter sido avaliada pelo Congresso

O Estado de S. Paulo

07 Fevereiro 2017 | 15h44

WASHINGTON - O novo secretário de Segurança Interna dos Estados Unidos, John Kelly, reconheceu nesta terça-feira, 7, que o governo Donald Trump deveria ter atrasado um pouco a entrada em vigor do decreto que proibiu a entrada de refugiados e cidadãos de sete países para promover um debate mais profundo no Congresso.

Em uma audiência na Câmara dos Deputados, Kelly assumiu a responsabilidade pelo caos provocado dentro e fora dos EUA pelo decreto assinado por Trump no dia 27 de janeiro. "Em retrospectiva, e isso é culpa minha, deveríamos ter atrasado um pouco (o decreto) para conversar com os membros do Congresso, especialmente com a liderança das comissões, para que eles pudessem se preparar para o que estava por vir", disse Kelly.

Essa é a primeira vez que um membro do alto escalão do governo Trump admite erros na implantação do decreto sobre refugiados e imigrantes. No entanto, Kelly defendeu que a medida executiva é "legal e constitucional" e a prioridade da nova administração é deter os ataques terroristas.

O Tribunal de Apelações do Nono Circuito, com sede em São Francisco (Califórnia), realizará nesta terça-feira uma audiência para estudar o decreto migratório de Trump, suspenso de forma temporária desde a última sexta-feira pelo juiz federal James Robart, de Washington.

A ordem de Trump suspendia durante 120 dias o programa de amparo de refugiados dos EUA - ou indefinidamente, no caso dos sírios. Além disso, interrompia por 90 dias a emissão de vistos para cidadãos de sete países de maioria muçulmana: Líbia, Sudão, Somália, Síria, Iraque, Irã e Iêmen. / EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.