Juan Karita/AP Photo
Juan Karita/AP Photo

Explosão na Bolívia deixa ao menos 2 mortos e 10 feridos

Segundo fonte oficial, três pessoas foram detidas suspeitas de ligação com o caso

O Estado de S.Paulo

14 Fevereiro 2018 | 02h30
Atualizado 14 Fevereiro 2018 | 09h09

LA PAZ - Ao menos 2 pessoas morreram e outras 10 ficaram feridas na explosão registrada na terça-feira 13 na cidade de Oruro, na Bolívia. Três pessoas foram detidas suspeitas de ligação com o caso, informou uma fonte oficial.

+ Equador responsabiliza dissidência das Farc por ataque a delegacia

Outras duas pessoas poderiam ter morrido, mas a informação ainda está sendo "verificada", declarou em La Paz o ministro de Governo (Interior) da Bolívia, Carlos Romero. Ele afirmou que uma das vítimas é uma mulher e a outra uma criança, e ressaltou que os feridos foram hospitalizados.

+ Ministro diz que há 28 feridos após atentado com 'carro-bomba' no Equador

Romero acrescentou que três pessoas foram "apreendidas" na investigação do fato, que supostamente estavam no local no momento da explosão, que ocorreu "depois das 18h30" (locais). As detenções foram feitas pela força especial de luta contra o crime da Polícia Boliviana a fim de obter informação que "oriente a investigação", disse o ministro.

Reveja: Explosão em mina mata ao menos oito na Colômbia

Ele detalhou que dois dos presos circulavam em um veículo que foi interceptado e apresentava danos presumivelmente causados por estar na área. "Não podemos descartar nenhuma hipótese", ressaltou Romero sobre a causa do incidente na região próxima ao local onde, no sábado, 8 pessoas morreram e 40 ficaram feridas em outra explosão, atribuída pela Polícia a uma vazamento de gás.

Romero relatou que a nova explosão apresenta diferenças com relação à anterior por ter deixado uma cratera na rua. Ele se comprometeu a esclarecer em um "curto espaço de tempo" o que aconteceu e determinar "se há conexão" entre ambos os fatos. / EFE

Mais conteúdo sobre:
Bolívia [América do Sul]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.