1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Senado da Itália adia debate de projeto que reconhece união entre homossexuais

- Atualizado: 28 Janeiro 2016 | 10h 48

Prevista para esta quinta, sessão que tratará do projeto defendido pelo partido do primeiro-ministro, Matteo Renzi, foi adiada para a próxima terça-feira

ROMA - O Senado da Itália adiou em quase uma semana a discussão sobre o projeto de lei que regulamentaria o reconhecimento da união entre as pessoas do mesmo sexo no país.

A proposta voltará a ser debatida, a princípio, na terça-feira, quando serão votadas as questões divergentes. A imprensa local aponta que o adiamento aconteceu pela ausência de parlamentares da ultradireitista Liga Norte, que farão nesta quinta-feira, 28, um encontro com a Frente Nacional da França, em Milão.

Uma sessão de apresentação do projeto, no entanto, foi realizada na quarta-feira no Senado, com a abertura da fase técnica, prévia ao estudo das emendas apresentadas.

O secretário nacional da organização ArciGay, Gabriele Piazzoni, lamentou nova interrupção na confecção do textos sobre as uniões civis.

"Até ontem, a data era 28 de janeiro e isso parecia uma certeza. Hoje já não é mais, e a realização de uma manifestação reacionária convocada para sábado, em Roma, que não favorece o debate, ameaça o tornar ainda mais incendiário", avaliou.

Para sábado, grupos convocaram o chamado "Dia da Família", para protestar contra o projeto sobre as união entre homossexuais, que é uma bandeira do partido do primeiro-ministro, Matteo Renzi.

O texto que está sendo debatido no Senado, no entanto, rechaça o uso do termo "casamento" e não garante a possibilidade de adoção, se limitando a um membro do casal a adotar filho do companheiro. / EFE

A legalização da união entre homossexuais é uma das bandeiras do partido do premiê italiano, Matteo Renzi

A legalização da união entre homossexuais é uma das bandeiras do partido do premiê italiano, Matteo Renzi

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em InternacionalX