Senador que deixou partido sofre ameaças de morte

O senador americano James Jeffords, que abandonou o Partido Republicano - o que levou seus ex-correligionários a perderem o controle do Senado -, recebeu ameaças de morte, revelou hoje o jornal USA Today. Depois do clamoroso anúncio feito na semana passada, Jeffords é constantemente seguido, quando está em Washington, por agentes da US Capitol Police, a polícia do Congresso. No momento, Jeffords se encontra na Itália, onde participa de uma conferência parlamentar sobre Meio Ambiente. O senador provocou um verdadeiro terremoto no mundo político dos EUA ao renunciar ao partido do presidente George W. Bush, cuja administração perdeu com isto o controle da Câmara alta. Os colegas republicanos "traídos" por Jeffords, embora não disfarcem seu desgosto, vêm tentando evitar, ao menos em público, críticas ferozes ao comportamento do senador. Mas do exterior teriam chegado as ameaças à sua vida, de forma não indicada pelo USA Today. Outro revés para a imagem do governo Bush chegou hoje através da páginas do jornal Washington Post, segundo o qual a mulher do presidente, Laura, fuma às escondidas. "Dizem que ela o faz somente quando não está em público", diz hoje o diário, colocando em dificuldades, durante a jornada mundial da Organização Mundial da Saúde (OMS) contra o fumo, a porta-voz da primeira-dama, Noelia Rodríguez, que, indagada a respeito, disse: "Não sei. Não posso confirmá-lo nem desmenti-lo". Fumante inveterada no passado, atribui-se a Laura Bush - embora alguns digam que a versão é apócrifa - uma resposta seca à avó de seu então noivo Goerge W. Bush, a respeito de o quê ela gostaria de fazer na vida: "Quero ler, fumar e admirar".

Agencia Estado,

31 Maio 2001 | 21h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.