Sendero Luminoso mata 4 na véspera da eleição no Peru

Povoado a fica a 450 quilômetros ao leste de Lima, na região andina do Peru; presidente condenou ataques

Rodrigo Cavalheiro, O Estado de S.Paulo

10 Abril 2016 | 11h28

LIMA - Ataques do grupo Sendero Luminoso deixaram quatro mortos neste sábado, 9, em Santo Domingo de Acobamba, povoado a 450 quilômetros ao leste de Lima, na região andina do Peru.

O presidente Ollanta Humala fez um pronunciamento nacional em que condenou o "ataque terrorista" e prometeu averiguar falhas na proteção a um veículo militar custodiava a chegada de urnas e cédulas à localidade de Junín quando foi atacado. Três militares e um civil morreram. Após o choque inicial, reforços militares entraram em confronto com os guerrilheiros de tarde.

O lugar do confronto é uma região montanhosa a 400 quilômetros ao norte de Ayacucho, base histórica do grupo terrorista. O Sendero travou um combate contra o Estado que deixou 70 mil mortos entre 1980 e 2000. Embora tenha perdido força militar, uma facção Sendero chamada Proseguir continua ativa. O grupo tem um braço político que, impedido de disputar a eleição, pregou a adesão ao voto nulo e em branco.

 

Mais conteúdo sobre:
Peru Terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.